Shihan’s Last Lessons

A Tribute to Shigeru Kawabe Shihan
By Gaku Homma
March 22, 2003

Having just returned from a twelve-day visit to Japan, I sit at my desk going through the pile of mail that has accumulated during my absence. With a sense of heaviness I set about to address the task at hand. My thoughts drift to my last visit with Aikikai Director, Akita’s Aiki Shuren Dojo Shihan, Shigeru Kawabe Sensei, only one week ago.

I have known Shigeru Kawabe Sensei for over forty years, and he has also played a very important role in Nippon Kan’s history. He has visited us here in Denver on four occasions since the 90’s, and I and many of my students have spent time with him at his dojo in Akita, Japan.

A few years ago, Kawabe Sensei was diagnosed with cancer, ironically very close to the same time as Morihiro Saito Shihan of Iwama, his teacher and lifetime close friend. Ultimately, Morihiro Saito Shihan passed away in May of 2002 and now Kawabe Sensei has followed his path.

Awaiting this final journey, Kawabe Sensei returned home from the hospital in early February of this year. The doctors told the family there was nothing more that could be done. I visited Kawabe Sensei in the early afternoon of February 26th, where I found him sequestered in his own bed. He lay without covers, slightly flushed with fever even though the room had a chill. On his face was the look of a man in great pain yet he refused any morphine to ease his suffering. I stood by his bedside and offered to massage his legs, as I had done, I reflected, for the Founder Morihei Ueshiba and Morihiro Saito Shihan. His legs no longer supported any muscles so I gently rubbed his skin. His body was so light and frail I felt I could scoop him up with one hand. We talked quietly, and I gave him news from Denver.

His mind was still clear, but it was difficult to hear what he could say. Quietly he whispered to his wife who could understand him as only a wife of many years can. She relayed his message repeating, “he says to give his regards to everyone in Denver.” A tear formed in his eyes and he turned away from me. From this position he raised his hand in a gesture of farewell. He was saying sayonara. This was good bye, our final farewell.

Not wanting to show the tears that were now falling on my face, I turned to leave the room. His wife followed close behind and offered me her handkerchief. “It’s alright,” she said, “He did his very best to live a good life. His body is tired now, so it will soon be time for him to go back to heaven. There he can rest.” She said this with a sad but understanding smile.

Kawabe Sensei and his wife traveled last to the United States and Canada in October of 2002 at the invitation of his long-time student Mark Larson. This trip he made against the advice of doctors and family and even me. His wife, however, knew that there was not much time left, and that it would be his last trip abroad. So they went together to complete one final mission. Minnesota University has had a branch of the university in Akita for the last twelve years, and Kawabe Sensei had a long time dream of visiting and teaching Aikido for his students in Minnesota. He also wanted to attend the wedding of one of his students who now lives in Canada.

Although very taxing, Kawabe Sensei completed this mission, and returned to Japan. Soon after his return he entered the hospital where he began many last treatments as the cancer was beginning to take the upper hand.

His condition was terminal, and one day after he waved goodbye to me from his bed, in the early hours of February 28th, 2003, he passed away at the early age of 63.

Like Morihiro Saito Shihan, Kawabe Sensei worked as a young man on the Japan Railroads. He had practiced Judo as a young man, but did not begin practicing Aikido until he was around thirty years of age. He began his practice of Aikido in Akita at the Asakura Dojo of which I was instructor at the time. He was older than me when he started practicing Aikido. I will always remember him when he started, with his heavy glasses, tight compact body and a grip that could hold a train in check. He trained very diligently and received instruction respectfully. A few years after I first met him there, Kawabe Sensei volunteered for lay-offs from Japan Railroad and turned to Aikido as a full-time occupation.

My training eventually took me from Akita and Kawabe Sensei began coming often to practice at the Iwama Dojo under Morihiro Saito Shihan. He made a tremendous effort over the years in his own training, and in promoting Aikido in Akita. Eventually, he became Shihan of Aiki Shuren Dojo and the Aikikai branch director for Akita. From that time until most recently, both privately and officially, Kawabe Sensei has supported me and Nippon Kan with his advice and assistance.

kawabe_memorial1_thumbKawabe Sensei’s funeral ceremony was held on March 4th. For a local community funeral, it was rare for so many dignitaries of the Aikido world to attend from so far away, especially in blizzard conditions. The current Doshu Moriteru Ueshiba was in attendance from Tokyo as well as many other high-ranking instructors from many parts of Japan. At the ceremony, his wife spoke eloquently about her husband. “For my husband, his greatest joy was in the happiness of his students. He had many students, and they made his life rich. He was so happy to have been able to visit Minnesota to open the new dojo of one of his students and to attend the wedding of another. These were proud moments for him that made his life complete.”

kawabe_memorial2_thumbThere are many teachers like Kawabe Sensei that are now gone. I think about how we must take what has been given to us by them, and carefully, correctly pass it on. This I think is our responsibility, and also the best way we can appreciate and say thank you to those who have gone before us. There are many who have dedicated so much of their lives, not only in Japan but all over the world to the development of Aikido. Some names we know readily, and some we do not. Yet all of their efforts have been important contributions and deserve to be remembered as part of history and the legacy of future generations.

After I left Kawabe Sensei’s bedside, I took the train to Tokyo. That day I met with the Founder and Editor of Aiki News, Mr. Stan Pranin, who had just arrived in Tokyo from the United States. I had planned to visit Aiki News headquarters in Tokyo and was fortunate to meet with him there. Mr. Pranin is now living in the United States and coordinates, edits and manages the Aiki News office in Tokyo via electronic communications. To cover Aikido news events or to conduct interviews, Mr. Pranin visits Japan regularly. I was lucky that he had just arrived. I was there to visit Aiki News to satisfy my own curiosity. There is a Japanese phrase “Hyakubun wa ikken ni shikazu” which means “It is better to look with your own eyes than to listen to a hundred accounts from others”. I wanted to confirm my opinion of Aiki News in person. I of course wanted to meet with Mr. Pranin but also I wanted to meet the rest of his Japan staff.

pranin_arrive_thumbAiki News is published quarterly from a small office in Tokyo. This magazine, with a distribution of over 5,000 copies per issue is only one of many projects that are developed there. Close to 50 books on Aikido and other martial arts have also been produced there as well as numerous videos What I began to realize as I toured this office overflowing with data and information was the importance of the work being done there. I thought of Kawabe Sensei. Aiki News had interviewed Kawabe Sensei thus preserving his life and accomplishments for posterity. Without this kind of documentation the life of Kawabe Sensei would be relegated to the memories of a few, which would then in time be buried as well with their owners. The Aiki News staff I was discovering, was playing a very important role in this historical documentation.

A few martial artists have reached a level of “stardom” where books have been written about their lives. There are more martial artists, however, who have not become famous, but whose lives and contributions are just as important to history. The Aiki News staff I was learning, was taking the time to meticulously record the lives and events of the famous…and the martial artists of our times that have chosen not to be famous as well. They have conducted over 350 interviews with Aikido instructors and other martial artists from all over Japan and abroad.

The martial arts community in Japan has roots going back centuries, and in many ways is still steeped in ancient and somewhat archaic traditions. Many teachings have been handed down directly from generation to generation without being recorded, and there is still an air of secrecy and protectiveness surrounding many martial art schools. To have traditional martial artists open up to an “outsider” for public documentation can be a tricky task at best. It requires a person with special skills and a special sincerity of heart to gain enough trust for this kind of disclosure to take place. The term in Japanese for the secret techniques of a traditional martial artist is hiden orokuden. With the special talents of the Aiki News staff, many secrets of our Aikido past and present have come to light and been recorded for us to learn. Many facts that have been hidden in the shadows or covered in myth have been revealed. Some people I imagine have not been happy about old secrets being brought to light, while others might feel jealous or threatened. I have heard it rumored that Aiki News only “uses history as a vehicle for monetary gain.” Such a shallow understanding that would be. The services being provided by Aiki News are invaluable to us, and their success is a suitable testimonial for the demand the world has for this kind of information. Those that conceal and hide their past (or present for that matter) by refusing to be interviewed do nothing for the future of martial arts in Japan. Those that truly believe in what they are doing are best served by being open about their activities.

Aiki News began in 1974 as an eight-page hand typed newsletter. In the years since, Mr. Pranin, with the help of Ms. Ikuko Kimura and other dedicated staff members have turned this eight-page newsletter into a multimedia empire with over 10,000 subscribers and a website that is visited 3000 to 5000 times per day. It has become the most comprehensive resource for information on Aikido and the martial arts in the world today. An unbelievable amount of our Aikido history and Japanese culture has been captured, and organized for generations to come.

As I made my way through the Aiki News office, I felt like I was in Aikido Grand Central Station. The rooms although piled high with books and crammed with research papers, were well-organized into production, editing, business, distribution and management sections. The office was alive with energy and the staff worked busily on different projects. I have heard it said that there are currently about 150,000 Aikikai members world-wide. If you add that figure to the possible number of Aikidoists who are not members of Aikikai, the total of Aikidoists in the world today is daunting. As I looked around me, I thought that this was the one staff that could organize this amount of on-going history in the making. I am glad that the lives of the Shihan of our times will find a place in recorded history for generations to come. I am very impressed with what I found at the Aiki News office in Japan and I wish Mr. Stan Pranin, Ms. Kimura and staff continued success in their efforts as our Aikido historians. I am not aware of anyone who is more diligent in painstakingly recording the history of our Martial art world, and I do believe that Aiki News has produced the most complete and comprehensive archive of martial arts history available to us today.

spencer1_thumbReturning to the pile of mail on my desk, I opened an envelope to discover a newspaper clipping. It was a photo of a young couple kissing at their wedding ceremony. Deciding I must be a little old fashion, the photograph seemed a little non-traditional to me. The bride was dressed in black and white leather and sported a wonderful black hat. The wedding was held at the Butterfly pavilion amongst the butterflies and other creatures of the night. The wedding procession was set to the theme of Star Wars…

The groom was Spencer Everroad, one of my fondest uchideshi, and it had been my honor to provide a buffet from my restaurant for their reception.

spencer2_thumbI first met Spencer over ten years ago as he stood in the front row of a new beginner’s class at Nippon Kan’s old dojo. I was explaining Aikido exercises when Spencer, who was usually a little on the pale side in those days turned ghostly white. He then, to my surprise, promptly keeled forward face first onto the mat! I was to learn that Spencer, who was going to college full-time and working nights at a candy factory to support himself and his schooling, had forgone his food money to pay for his Aikido beginners class! It was an interesting introduction!

After such a dramatic beginning, Spencer went on to become an uchideshi at Nippon Kan while he worked to finish college. He was hard working and dedicated and put up heroically with the severe conditions of uchideshi life. I watched him grow through this period of his life, and have seen him realize many of his dreams. It makes me smile when he comes now to the dojo, for he always says, “I’m home.” I guess I am waiting now for him to bring me pictures of his children.

I think of what Kawabe Sensei’s wife said about Kawabe Sensei’s greatest happiness, that being the happiness of his students. Not only Spencer, there have been many students who have brought me much happiness. Most of the uchideshi that have graduated successfully from Nippon Kan have been from out-of-state, so I do not get a chance to see them regularly. It is always a pleasure to get cards or a call at Christmas or New Years or even a surprise visit. It is like having the kids home from school.

practicing_in_the_park_thumReturning to the pile on my desk, a local newspaper caught my eye. On the cover page was one of our beginner’s class instructors Andy Bogart practicing Aikido in the park with another Nippon Kan student. Wow! I exclaimed when I saw it. He happened to be in the office at the time and looked at me sheepishly as I read the accompanying headline. “I’m sorry about the photo Sensei,” he began. I just laughed and with a smile I told him “What is there to be sorry for, don’t worry. On a nice Sunday afternoon, practicing outside with a friend, there is nothing bad about that.”

As I looked at the photograph it took me back to my first days in Denver. In the early days, before 1978, I didn’t have my own dojo to practice in. I was teaching classes at the local YMCA on weeknights, and every Sunday morning during the summertime my students and I would gather in the park to practice together. After practice, we would go back to my home and cook a big breakfast together. Those were the days…I reflected. While some of the students from that time are still practicing at Nippon Kan, most now have families of their own and too many responsibilities to spend their Sundays practicing Aikido in the park. Those practices are now just fond memories for most.

To see one of Nippon Kan’s next generation of leaders practicing in the park made me feel, on the one hand, like I am indeed getting old, but on the other hand, happy to see events come full circle. I am proud of this next generation of ours.

Nippon Kan has grown in the last decade or so, and there are many members. The size and scope of activities at Nippon Kan has also changed. (See AHAN for more information). Unfortunately, today it would be very difficult for me to take everyone home with me and make breakfast after class! To see the young leaders of Nippon Kan take initiative and take care of newer students warms my heart indeed.

What I have found on my desk this morning, the card from Spencer, and the newspaper clipping of practice in the park, takes away some of the sadness I felt after returning from Japan. These mementos made me reflect on life at Nippon Kan.

There are over 250 practicing students at Nippon Kan today and over 10,000 beginning students have been through the Nippon Kan beginners classes over the last decade. With my students I have witnessed many of life’s milestones. I have seen graduations, marriages, divorces, births, illnesses, hiring’s and firings and deaths. I have experienced all of the worries, and emotions that come with these experiences. I have experienced acts of kindness, betrayals, jealousies, generosity and loyalty–all of the experiences that come with living in our world today. Every one has helped me to grow as Nippon Kan has grown along the way.

Right now my position has changed. I no longer am able to lead practice in the park. The ship I pilot is much bigger than it once was. The view I must keep is of a wider perspective in order to steer Nippon Kan forward into the future. To do this, many times I must sacrifice my own personal feelings and act beyond them. It is a position that can become isolated. Looking at the newspaper photo of Andy practicing in the park brings back to me the times when my life was simpler and easier in some ways, affording much more private, personal time and contact with my students. It makes me smile to think that many of my students now are not aware of the early days at Nippon Kan and the struggles and process it has been through. There are some students I am sure that believe I arrived here from Japan with a 10,000 square foot dojo and hundreds of students packed in my suitcase. In any case this simple photo brings home the full circle of events in life.

In the past couple of years, it seems that many high ranking Japanese Shihan have passed away. Like Kawabe Sensei, other Shihan I have been witness to also received a great deal of happiness from the happiness of their students.

Our teachers teach us to become strong. They showed us by example how to be strong in body, and strong in mind. They do not, however, verbally teach us about death. Especially when they are strong, the lessons they teach us are about life. These were the best lessons, I believed, that is until now.
What I am now beginning to realize is that the best and last lesson from teachers I have know is a lesson that is not taught with words, yet is the most powerful of all. The death of a Shihan is his last lesson and his last gift. This is a gift that is bitter to receive yet teaches us so much about appreciation of others and inwardly gives direction to our lives. It is a lesson for each of us left behind to ponder and grow from individually.

In the practice of martial arts we are taught to be strong. Where then does death fit in to this strength? How is it a part of the life these leaders led? What finally did they understand about their own life, practice and death? These are questions that are part of our study, our practice, and a Shihan’s last lessons. I hope to be able to understand these last lessons and to be able to follow in their spirit with the happiness of my students.

“If everybody practices my Aikido and is happy, then I am happy”.
Morihiro Saito Shihan

“I wish and hope that by practicing Aikido, my students will be happy. Until I am no more I will try to help my students achieve this”.
Shigeru Kawabe Shihan

As últimas lições do Shihan
Um tributo a Shigeru Kawabe Shihan

Por Gaku Homma
22 de março de 2003

Tendo retornado, recentemente, de uma visita de doze dias ao Japão eu me sentei em minha escrivaninha repleta de cartas acumuladas durante a minha ausência. Com o sentimento de pesar eu me sentei para realizar a tarefa à mão. Meus pensamentos se dirigem para o meu último encontro com o Diretor da Aikikai, Shihan do Aiki Shuren de Akita, Shigeru Kawabe Sensei, apenas uma semana atrás.

Eu conheci Shigeru Kawabe Sensei por mais de quarenta anos e ele também teve um papel muito importante na história da Nippon Kan. Ele nos visitou aqui em Dever em quatro ocasiões desde 1990, e eu e muitos de meus estudantes passamos algum tempo com ele em seu dojo em Akita, Japão.

Poucos anos atrás, Kawabe Sensei foi diagnosticado com câncer, ironicamente na mesma época em que Morihiro Saito de Iwama, seu professor e amigo íntimo durante toda a sua vida. Morihiro Saito faleceu em maio de 2002 e agora Kawabe Sensei seguiu o seu caminho.

Aguardando por sua jornada final, Kawabe Sensei retornou para casa do hospital no início de fevereiro deste ano. Os médicos disseram à família que não havia mais nada que pudesse ser feito. Eu visitei Kawabe Sensei no começo da tarde do dia 26 de fevereiro, onde eu o encontrei seqüestrado em sua própria cama. Ele estava deitado sem cobertas, levemente enrubescido pela febre embora o quarto tivesse resfriamento. Em sua face havia o olhar de um homem em profunda dor embora recusasse morfina para aliviar o seu sofrimento. Eu permaneci ao lado de sua cama e me ofereci para massagear suas pernas, como eu já havia feito, eu refleti, para o Fundador Morihei Ueshiba e para Morihiro Saito Shihan. Suas pernas já não tinham músculos, então, gentilmente massageei sua pele. Seu corpo estava tão leve e frágil que eu poderia levantá-lo com apenas uma mão. Nós falamos calmamente e eu lhe dei notícias de Denver.

Sua mente ainda estava clara, mas era difícil ouvir o que ele dizia. Calmamente ele suspirava para sua esposa que podia entendê-lo como somente uma esposa de muitos anos pode. Ela retransmitiu sua mensagem repetindo, “ele diz para enviar suas lembranças para todos em Denver”. Uma lágrima se formou em seus olhos e ele desviou seu olhar do meu. Daquela posição ele levantou sua mão em um gesto de despedida. Ele estava dizendo sayonara. Era o adeus, a nossa última despedida.

Não querendo mostrar as lágrimas que estavam agora se derramando em meu rosto, eu me virei para deixar o quarto. Sua esposa me acompanhou de perto, atrás de mim, e ofereceu o seu lenço. “Está tudo bem”, ela disse, “Ele fez o melhor que pôde para viver com dignidade. Seu corpo está cansado agora, e logo será a hora de ele retornar para o céu. Lá ele poderá descansar”. Ela disse isso com um triste, mas compreensível sorriso.

Kawabe Sensei e sua esposa viajaram a última vez para os Estados Unidos e Canadá em outubro de 2002 a convite de seu estudante de longa data Mark Larson. Ele fez essa viagem contrariando os conselhos dos médicos, da família e, inclusive, o meu. Sua esposa, no entanto, sabia que não havia muito mais tempo e que aquela seria a sua última viagem ao exterior. Então eles foram juntos para completar uma última missão. A Universidade de Minnesota tem tido uma filial da Universidade de Akita nos últimos doze anos, e Kawabe Sensei teve por longo tempo o desejo de visitar e ensinar Aikido para seus estudantes em Minnesota. Ele também queria comparecer ao casamento de um de seus estudantes que agora vive no Canadá.

Embora muito sobrecarregado, Kawabe Sensei completou sua missão e retornou ao Japão. Brevemente após o seu retorno ele deu entrada no hospital onde ele havia iniciado muitos dos últimos tratamentos enquanto o câncer estava tomando o controle.

Sua condição era terminal, e um dia depois de ter acenado adeus para mim de sua cama, nas primeiras horas de do dia 28 de fevereiro de 2003, ele faleceu no início de seus 63 anos de idade.

Como Morihiro Saito Shihan, Kawabe Sensei trabalhou quando jovem nas estradas de ferro japonesas, ele praticou judô quando jovem, mas não iniciou sua prática no Aikido antes de ter por volta de trinta anos de idade. Ele começou sua prática de Aikido em Akita no Dojo de Asakura, Dojo no qual eu fui instrutor durante algum tempo. Ele era mais velho do que eu quando começou a praticar Aikido. Eu vou me lembrar para sempre de quando ele começou, com seus óculos pesados, corpo compacto e uma pegada que podia frear um trem. Ele treinava diligentemente e recebia instrução respeitosamente. Poucos anos depois eu o encontrei novamente ali, Kawabe Sensei pediu demissão voluntária das estradas de ferro do Japão e se voltou para o Aikido como uma ocupação de tempo integral.

Meu treinamento me levou para fora de Akita e Kawabe Sensei começou a treinar com freqüência no Dojo de Iwama com Morihiro Saito Shihan. Ele empenhou um esforço tremendo através dos anos em seu treino, e na promoção do Aikido em Akita. Finalmente ele se tornou Shihan do Dojo de Aiki Shuren e diretor da Aikikai na filial de Akita. Daquele tempo até muito recentemente, de modo privado ou oficialmente, Kawabe Sensei me ajudou e à Nippon Kan com seu conselho e assistência.

A cerimônia funerária de Kawabe Sensei aconteceu no dia 4 de março. Para a comunidade local era raro que tantos dignitários do mundo do Aikido comparecerem vindos de longe para um funeral, especialmente em condições de nevasca. O atual Doshu Moriteru Ueshiba estava presente vindo de Tokyo, bem como muitas outros instrutores de alto nível vindos de muitas partes do Japão. Na cerimônia sua esposa falou eloqüentemente a respeito de seu marido: “Para o meu marido sua grande satisfação estava na alegria de seus estudantes. Ele teve muitos estudantes e eles fizeram sua vida rica. Ele estava muito feliz por ter sido capaz de ir à Minnesota para abrir o novo dojo de um de seus estudantes e por comparecer ao casamento de outro. Esses foram momentos de orgulho que fizeram sua vida completa”.

Existem muitos professores como Kawabe Sensei que agora já se foram. Eu penso como nós devemos receber o que nos foi dado por eles e cuidadosamente, corretamente passar isto adiante. Esta, eu acho, é a nossa responsabilidade, e também a melhor maneira de apreciar e agradecer àqueles que vieram antes de nós. Existem muitos que dedicaram muito de suas vidas, não apenas no Japão mas em todo o mundo, ao desenvolvimento do Aikido. Alguns nomes conhecemos facilmente, outros não. No entanto, todos os seus esforços foram importantes contribuições e merecem ser lembrados como parte da história e legado para futuras gerações.

Depois de ter deixado Kawabe Sensei, eu peguei o trem para Tokyo. Naquele dia eu me encontrei com o Fundador e editor da Aiki News, Mr. Stan Pranin, que havia chegado a pouco tempo no Japão vindo dos Estados Unidos, eu havia planejado visitar o quartel general da Aiki News em Tóquio e eu estava feliz por encontrá-lo ali. Mr. Pranin agora esta vivendo nos Estados Unidos e coordena, edita e gerencia o escritório da Aiki News via comunicação eletrônica. Para cobrir novos eventos do mundo do Aikido ou para realizar entrevistas, Mr. Pranin visita o Japão regularmente. Eu estava com sorte de que ele tivesse acabado de chegar. Eu estava ali para visitar a Aiki News e satisfazer minha própria curiosidade. Existe uma frase japonesa que diz “Hyakubun wa ikken ni shikazu” que quer dizer “É melhor ver com os próprios olhos do que ouvir centenas de histórias de outros”. Eu queria confirmar a minha opinião a respeito da Aiki News. Eu, obviamente queria conhecer Mr. Pranin, mas também o resto de seu grupo no Japão.

Aiki News é publicado trimestralmente de um pequeno escritório em Tóquio. Esta revista com uma distribuição de aproximadamente 5.000 cópias por número é apenas um de vários projetos que são desenvolvidos ali. Aproximadamente cinqüenta livros de Aikido e outras artes marciais também são produzidos bem como numerosos vídeos. O que eu comecei a me dar conta, enquanto eu visitava seu escritório inundado de dados e informações, foi da importância do trabalho que estava sendo feito ali. Eu pensei em Kawabe Sensei. Aiki News o havia entrevistado preservando, desta forma, sua vida e realizações para a posteridade. Sem esse tipo de documentação a vida de Kawabe Sensei seria relegada à memória de poucos, que seriam, em um tempo, enterradas junto com seus donos. O grupo da Aiki News, eu estava descobrindo, estava tendo um papel muito importante nessa documentação histórica.

Muito poucos artistas marciais alcançaram um nível de “estrelato” a ponto de se terem livros escritos sobre suas vidas. Existem muito mais artistas, no entanto, que não se tornaram famosos, mas cujas vidas e contribuições são as mais importantes para a história. O grupo da Aiki News, eu estava aprendendo, estava trabalhando na meticulosa preservação dos eventos e da vida dos famosos… bem como da vida dos artistas marciais de nosso tempo que escolheram não serem famosos. Eles haviam realizado mais de 350 entrevistas com instrutores de Aikido e outros artistas marciais de todo o Japão e no exterior.

A comunidade das artes marciais no Japão encontra suas raízes fincadas há séculos atrás, e de muitas maneiras ainda está encharcada em antigas e, de alguma forma, arcaicas tradições. Muitas técnicas foram passadas de geração à geração sem serem gravadas, e ainda existe um ar de mistério e proteção em torno de muitas escolas de artes marciais. Fazer com que artistas marciais se abram para um “estranho” para documentação pública é um trabalho, no mínimo, complicado. Isto requer uma pessoa com talentos especiais e uma sinceridade especial no coração para ganhar confiança o suficiente para que se possa conquistar esse tipo de abertura. O termo Japonês para as técnicas secretas de um artista marcial é hiden ou okuden. Com o talento especial do grupo da Aiki News, muitos segredos do passado de nosso Aikido vieram à luz e foram gravados para que pudéssemos aprender. Muitos fatos que foram escondidos nas sombras ou que foram encobertos pelo mito tem sido revelados. Eu imagino que muitas pessoas não ficaram felizes com o fato de que antigos segredos tenham vindo à tona, enquanto outros talvez tenham ficado enciumados ou se sentido ameaçados. Eu ouvi rumores de que a Aiki News apenas “utiliza a história com fim de ganho monetário”. O que deve ser visto como um pensamento superficial. Os serviços prestados pela Aiki News são inestimáveis para nós, e o seu sucesso é um testemunho conveniente da necessidade que o mundo tem desse tipo de informação. Aqueles que cancelam e escondem seu passado (ou o presente da mesma forma) recusando-se a serem entrevistados não fazem nada pelo futuro das artes marciais no Japão. Aqueles que realmente acreditam no que estão fazendo são melhor servidos ao se abrirem a respeito de suas atividades.

Aiki News começou em in 1974 com oito páginas e tipos impressos à mão. Desde então, Mr. Pranin, com a ajuda de Ms. Ikuko Kimura e outros membros dedicados de seu grupo, transformou suas oito páginas em um império com mais de 10.000 assinaturas e uma página na internet que é visitada entre 3.000 a 5.000 vezes por dia. A Aiki News se tornou o mais amplo recurso de informação sobre o aikido e sobre outras artes marciais no mundo hoje. Um número inacreditável de informações sobre a história de nosso Aikido e sobre história e cultura Japonesas foram resgatadas e organizadas para as futuras gerações.

Enquanto eu caminhava pelo escritório da Aiki News eu me senti como se eu estivesse em uma Grande Estação Central de Aikido. As salas, embora estivessem cheias de pilhas de livros e abarrotadas de papéis de pesquisa, estavam organizadas em seções de produção, edição, negócios, distribuição e administração. O escritório estava vivo, com energia e o grupo trabalhava diligentemente em diferentes projetos. Eu ouvi dizer recentemente que existem atualmente 150.000 membros da Aikikai ao redor do mundo. Se você acrescentar a este cenário um inimaginável número de praticantes de aikido que não são membros da Aikikai, o número de aikidoístas no mundo hoje é assustador. Enquanto eu olhava ao meu redor eu pude perceber que aquele era o grupo capaz de organizar esta quantidade de história em sua constante progressão. Eu fico feliz porque a vida dos Shihans de nosso tempo encontrarão um lugar no registro da história para as futuras gerações. Eu fiquei muito impressionado com o que eu encontrei no escritório da Aiki News no Japão e eu desejo que Mr. Pranin, Ms. Kimura e o seu grupo continuem tendo sucesso nos seus empreendimentos, bem como nossos historiadores do aikido. Eu não tenho conhecimento de ninguém que seja mais diligente e esmerado em registrar a história de nossa arte marcial no mundo, e eu acredito que a Aiki News tenha produzido o mais completo e amplo arquivo de história das artes marciais disponível para nós hoje.

Voltando para a pilha de correspondência em cima de minha escrivaninha, eu abri um envelope para descobrir uma foto. Era uma foto de um jovem casal se beijando em uma cerimônia de casamento. Decididamente eu sou um pouco antiquado, a fotografia parecia pouco tradicional para mim. A noiva estava vestida com roupa de couro preta e branca e exibia um chapéu maravilhoso. O casamento se deu em um pavilhão de borboletas entre borboletas e outras criaturas da noite. A marcha nupcial era o tema (do filme) Star Wars (Guerra nas Estrelas)…

O noivo era Spencer Everroad, um dos meus uchideshi de quem tenho mais orgulho, e foi uma honra providenciar um buffet de meu restaurante para a recepção de seu casamento.

A primeira vez que encontrei Spencer foi há dez anos atrás na primeira fila de uma nova classe de iniciantes no antigo dojo da Nippon Kan. Eu estava explicando exercícios de aikido quando Spencer, que costumava estar sempre pálido naqueles dias, ficou branco como um fantasma. Ele então, para minha surpresa, caiu batendo o rosto no tatame. Eu fui tomar conhecimento então que Spencer, que freqüentava a faculdade por tempo integral e passava as noites trabalhando para se manter e aos seus estudos, tinha usado o dinheiro de sua comida para pagar suas classes iniciais de Aikido! Foi um começo interessante!

Depois desse começo dramático, Spencer se tornou um uchideshi da Nippon Kan enquanto ele trabalhava para terminar a faculdade. Ele trabalhava duro e era dedicado e se lidou heroicamente com as severas condições de uma vida de uchideshi. Eu o assisti crescer neste período de sua vida, e o vi realizar muitos de seus sonhos. E fico feliz quando ele vem ao dojo e sempre diz, “Eu estou em casa”. Eu acredito que agora estarei esperando que ele me traga fotos de suas crianças.

Eu penso no que a esposa de Kawabe Sensei disse a seu respeito, de sua maior alegria ser a alegria de seus estudantes. Não apenas Spencer, muitos outros estudantes me trouxeram muita alegria. Muitos dos uchideshi que se graduaram com sucesso pela Nippon Kan estão longe, dessa forma eu não tenho a oportunidade de vê-los regularmente. É sempre um prazer receber cartões ou um telefonema no Natal ou no Ano Novo ou ainda uma visita surpresa. É como ver as crianças chegando em casa depois da escola.

Retornando para pilha sobre minha escrivaninha, um jornal local chama minha atenção. Na capa estava um de nossos instrutores iniciantes Andy Bogart praticando Aikido no parque com outro estudante da Nippon Kan. Uau! Eu exclamei quando eu vi aquilo. Aconteceu de ele estar no escritório na hora e olhou para mim envergonhado enquanto eu lia a reportagem. “Desculpe-me pela foto Sensei”, ele começou. Eu apenas ri e com um sorriso eu lhe disse: “Não existe nada a ser desculpado, não se preocupe. Não existe nada de errado em se praticar ao ar livre em uma tarde de sábado agradável”.

Enquanto eu olhava a fotografia retornei aos meus primeiros dias em Denver. Naqueles dias iniciais, antes de 1978, eu não tinha o meu próprio dojo para praticar. Eu estava ensinando na ACM local durante as noites dos dias de semana, e todos os sábados de manhã, durante o verão, eu e meus estudantes nos encontrávamos no parque para praticarmos juntos. Depois da prática, nós íamos para minha casa e preparávamos um bom café da manhã juntos. Velhos tempos… eu pensei. Enquanto alguns dos estudantes daquele tempo ainda permanecem praticando na Nippon Kan, muitos agora têm suas próprias famílias e muitas responsabilidades para passarem o sábado praticando Aikido no parque. Aqueles dias de prática agora são apenas boas lembranças para a maioria.

Ver uma das próximas gerações de líderes da Nippon Kan praticando no parque me fez sentir, por um lado, que realmente eu estou envelhecendo, mas por outro lado feliz por ver os eventos se completarem como um círculo. Eu estou orgulhoso dessa nossa próxima geração.

Nippon Kan cresceu nas últimas décadas, e possui muitos membros. O tamanho e o espectro de suas atividades se também mudou (Veja AHAN para mais informações). Infelizmente, hoje seria muito difícil levar todos mundo comigo para casa e preparar café da manhã depois da aula! Ver jovens líderes da Nippon Kan tomando iniciativa e cuidando de novos estudantes realmente enche o meu coração.

O que eu encontrei hoje em minha mesa essa manhã, o cartão de Spencer, e o recorte de jornal da aula no parque, leva embora algumas tristezas que eu sentia depois de minha chegada do Japão. Essas recordações me fizeram refletir sobre a vida na Nippon Kan.

Hoje existem aproximadamente 250 estudantes na Nippon Kan e cerca de 10.000 estudantes já passaram pelas classes de iniciantes da Nippon Kan na última década. Eu testemunhei muitos marcos na vida de meus estudantes. Eu vi graduações, casamentos, divórcios, nascimentos, doenças, contratações, demissões e mortes. Eu experimentei todas as preocupações e emoções advindas dessas experiências. Eu testemunhei atos de ternura, traições, ciúmes, generosidade e lealdade – todas as experiências que se pode ter vivendo em nosso mundo hoje. Todas me ajudaram a crescer enquanto a Nippon Kan crescia ao longo do caminho.

Agora minha posição mudou. Eu não tenho mais a possibilidade de ministrar aulas no parque. O navio que eu piloto é muito maior agora do que foi um dia. Tenho que ter a visão de uma perspectiva mais ampla de modo a orientar a Nippon Kan em direção ao futuro. Para fazer isso eu preciso muitas vezes sacrificar meus sentimentos pessoais e agir além deles. Essa é uma posição na qual pode tornar-se isolado. Olhando para a foto de Andy no jornal praticando no parque me lembro dos tempos em que minha vida era mais simples e mais fácil em alguns aspectos, tendo muito mais privacidade, tempo pessoal e contato com meus estudantes. Me faz rir pensar que muitos de meus estudantes agora não têm consciência dos dias iniciais da Nippon Kan e das lutas e de todo o processo que atravessamos. Existem alguns estudantes que, eu tenho certeza, acreditam que eu cheguei aqui do Japão com um dojo de 10.000 pés e centenas de estudantes empacotados em minha bagagem. Em todo o caso esta simples foto traz de volta o círculo completo de eventos da vida.

Nos últimos anos, parece que muitos Shihans de alto nível japoneses têm falecido. Assim como Kawabe Sensei, eu tenho testemunhado outros Shihans que também receberam uma grande dose de alegria provinda da alegria de seus estudantes.

Nossos professores nos ensinam a sermos fortes. Eles nos mostraram através do exemplo como sermos fortes em corpo, e como sermos forte em mente. Eles, obviamente, não nos ensinam verbalmente sobre a morte. Especialmente quando eles são fortes, as lições que nos ensinam são lições sobre a vida. Essas eram as melhores lições. Eu acreditava nisso até agora.

O que eu estou agora começando a me dar conta é que a melhor e a última lição dos professores que eu conheci é uma lição que não é ensinada com palavras, embora seja a mais poderosa de todas. A morte de um Shihan é a sua última lição e o seu último presente. Este é um presente que é amargo de ser recebido embora nos ensine muito sobre a apreciação dos outros e internamente nos dê direção sobre nossas vidas. Esta é uma lição deixada para que cada um de nós pondere e cresça individualmente.

Na prática de artes marciais nós somos ensinados a sermos fortes. Onde, então, a morte se encaixa nessa força? Como isso pode ser parte da vida que esses líderes deixaram? O quê, finalmente, eles compreenderam de suas próprias vidas, prática e morte? Essas são questões que fazem parte de nosso estudo, nossa prática e das últimas lições de um Shihan. Eu espero ser capaz de entender essas últimas lições e ser capaz de seguir em seu espírito com a alegria de meus estudantes.
“ Se todo mundo que pratica meu Aikido é feliz, então eu, também, sou feliz”.

Morihiro Saito Shihan

“Eu desejo e espero que praticando Aikido, meus estudantes sejam felizes. Até que eu não esteja mais presente eu tentarei ajudar meus estudantes a alcançarem a felicidade”.

Shigeru Kawabe Shihan
(Tradução: William Soares)