Portuguese

Morihiro Saito: Following the Founder into History
By Gaku Homma

January 30, 2003
Authors note: Portions of this article were written soon after the passing of Morihiro Saito Shihan, but in keeping with Japanese traditions for mourning, were not released until after the beginning of the following New Year.

On February 7t through 9th, 2003, Hitohiro Saito Sensei will be coming to Denver to teach at an American Memorial Seminar which will be held to honor his father, Morihiro Saito Shihan.

There have been many technical books written featuring Saito Shihan and his Aikido. There have been many interviews and articles written about him as the Keeper of the Aiki Shrine and Iwama Dojo Cho over his lifetime. For those who will be able to attend this memorial seminar, or even if you will not be able to attend, I would like to share what I know about a side of Saito Shihan that has not often been written about; the more private side of the man who is known publicly world-wide as the great martial artist that he was.

Saito Shihan has had many uchideshi, and thousands of students share in his teaching and his mission. There are few however, that saw his more personal, private side. His family, close senior students, and long time friends such as Stanley Pranin, editor of Aikido Journal, knew his “real face”, as I call it, or his personal manner.

My relationship with Saito Shihan, spanned almost four decades, beginning in Iwama when I was just a boy. From those early days until these last years, I have had the honor to know him, and to share in some private times with him. It was one of his last requests of me that I express what I knew of him during his final days, and his final battles. He especially wanted his students in the United States to understand the end of his life, as a way to understand its beginning. To this end I pick up my pen to write…

As human beings and as Aikidoists, we often times think of death as a negative thing, something to avoid as long as possible. Whether one is a homeless beggar on the streets, a success on Wall Street, or a martial artist, no one can escape death in this world. Martial artists and movie stars I suppose are both in the spotlight during the peak of their careers. We hear of them when they win championships or Oscars. As they grow old, they seem to fade away and disappear. As the history of Aikido grows longer, its generations of students get older. There are many Aikidoists from the first pioneer generations that are no longer with us.

As human beings, we cannot escape death. No matter how strong, even famous martial artists do not live forever. How a martial artist prepares for this inevitability however can be a great lesson to us all. This is Morihiro Saito Shihan’s last lesson for all of us. He once said dying does not have to be something to fear or run from, it should be faced with courage and dignity.

The first time I spoke to Saito Shihan about coming with his son Hitohiro Saito to Denver was in 1999. “Thank you, but no thank you.” was his reply. “Students who come to Denver to practice at a seminar of mine are interested in learning from me. They are not Hitohiro’s students by some birthright. As a father it is not good for me to just present the structure and organization I have built to him on a platter. That is too easy. If Hitohiro wants to make a life out of Aikido, he must do it himself. After I am gone, I ask you to then ask Hitohiro to come to Denver. He will need to make his own start in this country, and I trust you to give him a solid platform to begin from.”

This American Memorial Seminar for Morihiro Saito Shihan is my gift to the father Morihiro Saito…and to the son, as a new beginning for the next generation to come.

Gaku Homma


With the sadness still clinging to my thoughts, I left quickly after the memorial service and headed to Wakayama Prefecture to visit Tanabe, birthplace and final resting place of the Founder of Aikido, Morihei Ueshiba, at the Kozanji temple.

At the grave of the Founder, I stood quietly to pay my respects. As I stood there I noticed something interesting; Three tosoba (wooden prayer markers) standing diligently behind the Founders grave. One was inscribed with the name “Morihiro Saito” and the other two with the name “Moriteru Ueshiba,” the grandson and heir to the legacy of the Founder Morihei Ueshiba. These were the only three tosoba placed here in the last year or so. Morihiro Saito Shihan’s tosoba was dated June 10, 2001. Doshu Moriteru Ueshiba had two tosoba was dated March 31, 2001.

Many Aikidoists who have come to this resting spot to take a photo, but only two had taken the time and harbored the expense (approximately $500 for each tosoba) to acquire the services of the local priest to offer this special prayer. These prayers lingered, marked by the tosoba. Standing there thinking, I realized that Morihiro Saito Shihan had most likely come here to say goodbye.

In the month of May of the year 2002, we lost a great martial artist, Morihiro Saito. Morihiro Saito was a human being, as well as a martial artist of great stature. He faced is last battle – against cancer – head on with calmness and determination. His manner and grace were his last lessons, ones he taught silently to all of us, his students.

I want to write about Morihiro Saito, the man, so that you may more fully understand the life – and the end of life – of a truly great martial artist.

In 1997, Morihiro Saito Shihan came to Denver, Colorado for the third time. He had come to teach his 1997 All American Seminar, which was attended by more than 350 students from all over North America and beyond. During the closing ceremony, Saito Shihan asked his students, “Did everyone enjoy the seminar?” His question was answered with applause. “This may be my last visit to America,” he continued, “Would you have me come again?” Again, his question was answered with thunderous applause.

Even then, Saito Shihan could not swallow his food smoothly. He confided to me that he had had a complete physical before coming and that some of the test results had not been good. “I will probably need surgery when I get back to Japan,” he said. This did not stop him from coming, however. He didn’t wait for an answer and told his doctors he must go to the United States. Nor did he listen to the warnings of his family, who had told me that his condition was serious. I had even gone to Japan personally to try to dissuade him from coming. “I am not sick!” he insisted over a glass of shochu. In a heavy Ibaraki accent he continued, “Don’t worry, I am still okay. I may be ill, but I am not ill in spirit. There are many things yet that I must do, and going to the United States this year is one of them!” After listening to this, what more could I do but agree? When Shihan made up his mind, there is not much more to do than say, “Yes sir.”



Morihiro Saito Shihan Aikikai Hombu 9th Dan, Ibaragi Iwama Dojo Cho and Keeper of the Aiki Shrine was a very important leader in the world Aikido community. If something were to happen to him in Denver, it would be more than a terrible thing.

Before the seminar, he did not tell any of his students of his condition. Trying not to raise concerns, we did everything we could to take care of him. Two of my students are pilots for United Airlines, and they went to Tokyo to fly him to the United States personally. He went first class all the way. There is a photo of Saito Shihan sitting in the captain’s chair in the cockpit with United pilot and Nippon Kan President Doug Kelly. It is a photo I have seen him show off on many occasions. Later he confided in me, “First class was very impressive, but it was lonely up there by myself. My students were not allowed to come up to visit me. I had so much attention from the flight attendants that I couldn’t even sneak sips of the favorite sake I had brought with me from home!” I was very relieved to see him at the airport looking healthy and making jokes.

During the seminar we took other precautions. I asked two of my students – one who is my personal physician and the other a cardiac nurse – to keep an eye on him. Between practice times and before and after the day’s events we checked his pulse and blood pressure, monitoring him for any signs of danger. We decided it was best not to interrupt his usual diet. I cooked all of his meals myself, using basic ingredients like miso, soy sauce, and rice that I had brought for him from Iwama. We removed the Western-style bed from his sleeping quarters and replaced it with a futon, one end raised slightly to allow him to breath easier. Each night I slept in front of his door so that I could hear if he began to cough or needed attending.

I am not looking for any kind of accolades. With my experience as the last uchideshi to the Founder Morihei Ueshiba, and this kind of attendance was expected of me. It was not out of the ordinary for me to do so.

One evening during the seminar, Saito Shihan began choking during dinner. We rushed to his aid, but he waived us off. “Just sitting calmly for a moment will make the choking subside,” he told us. “My doctors told me that foods red in color are good for my health, so I think a glass of red wine is in order.” I thought about protesting, but knowing better, I stopped. He knew his condition, and I was relieved that he felt he could make light of it.



The morning after the seminar, we prepared to leave by van for the day’s activities. Before getting in the car he spread his feet in a wide stance and bent over one knee in an extended leg stretch. “Genki desu ne” or “You seem full of vigor and energy,” I noted, then I asked. “What are you doing?” “I must finish working on your garden,” he replied. “I am worried about it.” With that he hopped into the van. This was the private Saito Shihan, not the Saito Shihan who reigned over Aikido dojos around the world.

In the garden, no matter how much we fussed, he insisted on moving from point to point, directing us to get out of the way as he repositioned rocks and trimmed foliage. He was intent on “fixing” the garden and moved rocks with ease that were difficult for young uchideshi to move by themselves.

Shigeru Kawabe Sensei of Akita, Japan, and his wife accompanied Saito Shihan on this trip to Denver. On this Monday they had dressed up for the day’s outing, not knowing they were going to be doing a bit of gardening. They pitched in anyway and got their nice clothes a little dirty, but it was worth it to see the smiles on everyone’s faces.

After the work was finished, Saito Shihan sat down on a rock he had just repositioned and viewed his garden handy work. “It is always the best to sit in the garden after working in it and have refreshments!” he exclaimed. I asked him if he could name the rock he had worked so hard to move into just the right place, and he answered, “Morihiro rock, and the name for this garden is Aikien.” Aikien was the name used for the Iwama Aiki Shrine Yagai dojo (outside dojo) built by the Founder Morihei Ueshiba. Saito Shihan continued, “It’s okay, the name is not used anymore at Iwama, so this is a good name for this garden.”

The Nippon Kan garden was barely a year old at the time, and the plants and trees were still small. It was more rock than garden at that time. I do believe Saito Shihan had quite a gift in being able to recognize and project what would become. I think that is why he knew exactly how to position the rocks. He even remarked that students and gardens were the same in that you needed to look ten years ahead when shaping them. Resting there together in the fledgling garden, there was no way to know that five years later, the garden would be named by Zagat’s Restaurant Review as #1 in atmosphere and décor out of 6,000 Japanese restaurants nationwide.

Since the return trip from Denver back to Tokyo was such a long one, we decided to spend one night in San Fransisco before Saito Shihan and Kawabe Sensei continued on to Japan. The hotel we stayed in had over thirty five floors, and the rooms were outfitted with balconies that faced the San Francisco Bay and the Golden Gate Bridge. Once we had arrived in the room, Saito Shihan headed directly for the balcony, where he stood arms outstretch and exclaimed, “ii na,” or “That’s nice,” in Japanese. The afternoon sun was still warm and the breezes came in gently from the bay.



Cheerfully, he returned to the room and began unpacking his belongings. Usually he had an uchideshi unpack for him, but this time he unpacked himself with an almost childlike enthusiasm. He carried a small bottle of sake to the balcony and pulled up two chairs to a small table on the balcony deck. “Kawabe-san, let’s sit out here,” he said enthusiastically. Knowing that Saito Shihan never drank sake without something to eat, his otomo, Mark Larson and I quickly headed for Japan Town to buy Japanese appetizers for them.

We soon returned to a scene I will never forget. Both Saito Shihan and Kawabe Sensei were still sitting facing each other over the small table on the balcony. They both sat, heads bowed toward each other as if in prayer. The warmth of the sun and soft breezes had done their magic after such a long, eventful weekend, and both of them were fast asleep!

Saito Shihan had accomplished his mission, and had been successful in his teaching in Denver. At this moment however, he was the private man who was taking a well deserved nap.

Two days after his return to Japan, I received a phone call. “I have cancer,” Saito Shihan said over the phone. “There is an extract from the maetake mushroom that I am looking for, but it is not available in Japan. It is supposed to have special healing properties. I know it is available in the United States. Could you send some to me?” I could hear the determination in his voice.

I bought all of the maetake extract that was available in all of the health food stores and pharmacies in Denver that day. The next day I left for Japan to deliver it. My restaurant, Domo, was scheduled to open in one week, and leaving the country was not the best idea. Yet, Saito Shihan’s health was in danger. I didn’t give a second thought about going to him.

He was so surprised and happy to see me the next day that he almost shed a tear; he literally jogged out the door to meet me. It was not important whether the maetake extract was going to work or not as a cure for his illness. More important to me was to show my respect and support. If I had made him happy for only one minute, that was enough. “Are you hungry?” he asked, and he led me by the arm into his home.

In 1998 Saito Shihan underwent surgery, and although the operation was major in scope, he survived and went on to recover well from the surgery.



In May 1999 he called me to tell me that he was fine and that he was going to come to Denver. “I still have work to do in the garden,” he explained. My first thought was to convince him not to come to protect his health. I wasn’t sure how to do this, so I asked his family for help. They told me that except for his voice being a little hoarse, he seemed to be fine. That explanation left me without an excuse, so there was nothing more to say except, “When would you like to come, Sensei?”

We took even more precautions, however, and Saito Shihan’s 1999 Seminar went off without a hitch. My worries seemed unwarranted. He ate heartily and seemed to enjoy himself very much. The only difference I noticed was that he controlled how much he ate and drank and retired early. On a few occasions, however, he did return after most everyone had left for a nightcap with his closest students and friends. This was his private time to relax. He told us about his surgery and even showed us his scars. “The doctors said, ‘Saito-san count to three.’ I counted to three, and that is all I can remember. When I awoke I was stapled shut from my neck to my navel, and my back had a diagonal cut about two feet long!” He showed off his scars with the pride of a kid who had caught his first fish. The doctors here agreed with the doctors in Japan that his scars had healed well. He was proud of this.

More than 350 students attended Saito Shihan’s seminar in 1999, and it was a great success. During the seminar he paused to ask his students, “Is everyone happy? I am very happy to be back in Colorado again. May I come back again next year?” He received a standing ovation that lasted long after he had left the gymnasium. Later on at the welcome party he delighted everyone by singing a rousing chorus of “Shiroi Keiko Gi,” which was Saito Shihan’s Japanese adaptation of “Oh My Darling Clementine”.
That evening, Hans Goto Sensei came to me privately, with seriousness about him. “Could you ask Shihan if he could come to California next year?” he asked. “Of course,” I answered. “I would imagine it will depend greatly on his health. I agree that it is best that he not come back to Denver next time. He pretends that everything is fine, but he knows his tomorrows. It would be in my heart to wish that he stay home in Iwama and take care of his health.”

Later on at my home, I chose my words carefully and posed a question to Saito Shihan. “Sensei, for next year, would it be a good idea to visit your Iwama Ryu dojos in California? If you don’t, your students are going to feel like I have kidnapped their father! I would not like that to happen.” After a few moments he responded, “Going to teach at many dojos in California during one visit is very difficult for me now physically. It seems to make sense to have one seminar in a central location such as Denver.” “How about if you arrange to have one large seminar at one of your dojos in California?” I asked. “I would worry that it would seem that I favor one dojo over another and that it might cause problems in the future. It is very important to me that this not happen,” he said. “What if you chose a location that was central and had a committee of your dojo leaders organize the event together?” I asked again. Saito Shihan looked like he was thinking deeply about this but did not answer.

After his return to Japan, it was January 2000 before I heard from Saito Shihan again. He told me he had decided to come to California this year. It was his understanding that his students had decided to work together to organize a central seminar in California for everyone to attend. He seemed very pleased that all of his students were working together. He asked me if I would teach his instructors the ABCs of organizing a seminar, using the “Denver system,” as he called it. I replied gently, “Sensei, you have generations of uchideshi in California who have known you for decades. These instructors of yours now have generations of their own students behind them. While you still have your health, this is a good way to bond them together for the future. It is important for them to work together as a team. If I were to step in and give advice on how to organize a seminar, it would only be interference and hamper the process. They are quite capable of organizing a seminar on their own. I think it is better for everyone if I am not involved.”



As Saito Shihan had wished, in the fall of 2000 a very successful seminar was held in the Bay area hosted by, as Saito Shihan believed, a team of his leading Iwama ryu instructors and students. In May 2001, I went to Japan for the All Japan Aikido Demonstration in Tokyo. The demonstration was held at the Nippon Budokan. Saito Shihan did a wonderful demonstration of sankyo techniques and variations. He was a crowd pleaser as usual and received loud applause. By this time, the power in his legs and his knees were getting weaker. His uke performed well and masked the fact that he was assisting Shihan to stand after a pin. Up in the bleachers while waiting for his demonstration to begin, Saito Shihan toyed with a collapsible cane which he folded and unfolded purposefully. “What do you think?” he asked me. “Do you think we could sell these canes to American Ninja? Never mind, if a Ninja is in need of a collapsible cane, he can’t be much of a Ninja,” he concluded. Everyone around him laughed at his humor.

The next day I visited Iwama and was welcomed warmly. In the new dojo dining area we ate together and he seemed to enjoy himself. He spoke of the United States, and said that he was getting a little weaker physically but that he had promised to go to California again this year and that was a promise he intended to keep. Everyone at the table tried to dissuade him, but on this point he stood stubbornly fast. Finally even his daughter said, “There is no point in trying to change his mind. It is better to just let him do what makes him happy.” As I was preparing to leave, he presented me with 30 bokken he had had packed into carrying bundles.

I spoke to his daughter again before I departed. She told me that his cancer was spreading and was now affecting his lower extremities. As is very common in Japan, Saito Shihan’s family was being told more about his condition than he was, and they had been told that he might have only a few more months to live. She was very concerned about him traveling but was not in the position to let him know that his illness was worsening. She was concerned for his hosts in California as well. If something were to happen while he was in the U.S., it would be traumatic for his students. She asked if I could somehow persuade his students in California to ask him not to come. I told her, I was in no position to do so, nor would I want to interfere with his relationship with his students.

Four months later came the tragedy of September 11, 2001. The Japanese Government made a public announcement that all travel to the United States that was not imperative be postponed or canceled. Saito Shihan called to tell me he wanted to come to the U.S., but was being strongly advised by his family and the government not to do so. He said he had made his decision, but he asked how dangerous I thought it would be to travel, and what I thought the reaction would be from his students if he did not go. “It is difficult to say. After such a terrible and tragic event, it was hard to predict what peoples reaction would be. To hold a seminar shortly after such a horrific event might seem insensitive to some people, to others it might be courageous,” I answered. He asked me, “If it were you, would you go?” Knowing about his worsening condition, it was a difficult question to answer. If it were me, I would have gone, but my position was very different from his. Although I knew very well all of the hard work his students had done to prepare for his visit and what a hardship and disappointment it would be if he did not go, for his sake, I advised him not to go. More important right now was his life and the wishes of his family.

I think we both knew it was for his health, but I suggested gently, “In this time of tragedy, out of respect for the victims of this terrorist act, I think it is better not to go.” The next day there was an announcement posted on Aikido Journal’s Web site announcing that Saito Shihan would not be coming to California. Knowing that he had made his decision before I had spoken with him, seeing the announcement made it official. I felt badly for his students, but if by not going on this trip prolonged his health and life by even one day, I felt it was my duty to support him to this end.



Into 2002, Saito Shihan was in and out of the hospital. By February, the cancer had spread to his spinal column, which rendered him unable to walk. He was confined to a wheelchair and had been told that this was the final countdown. He refused any more medical treatments by his doctors and returned home from the hospital. His family told me that his condition was worsening and I made the journey to Iwama to visit him on March 1, 2002.

I was surprised to see that Saito Shihan had moved his bed to the front room of his house, very close to the sliding screen doors. In Japan it is custom, especially for a martial artist, to sleep farthest from the door, particularly if they are ill or otherwise compromised. It is also customary to sleep with one’s head pointed toward the altar as a show of respect. Saito Shihan, however, had positioned himself where he could hear the best what was happening on the grounds and in the dojo and what his uchideshi and students were up to. His mission of teaching Aikido to his uchideshi and students still came first – even if that meant he slept with his feet toward the altar.

He lay on his bed, and attended to a pump that was used to drain fluids. The pump left bruises on his skin that were hard to look at, they looked so painful. Even still he joked, “I have never been this black and blue, even when I was young and got into fights all of the time!”

I asked him if he would like me to massage his feet. As I massaged his feet under the futon a tear came to my eye. I had done this before, in this same place. Only the last time I had done this, it was for the Founder before he died. My life seemed to have come full circle, and I was again offering the comfort of a massage to another great martial artist in Iwama.

As I massaged his feet, Saito Shihan spoke privately about his students, especially his students abroad. After about 20 minutes of conversation, I started to excuse myself from the room. He surprised me though and gave me a start when he barked commands at an uchideshi who was waiting behind a shoji screen. “It’s cold outside this morning! Get that stove going, Homma-kun needs breakfast now! DO YOU UNDERSTAND?” The uchideshi ran as fast as he could toward the kitchen.

After he finished giving orders to the uchideshi, he turned to me and said in a soft voice, “Thank you for coming. We should have breakfast together, but since I am unable, there will be breakfast ready for you in the uchideshi kitchen.” With that he returned his attention to the retreating uchideshi. “Don’t forget that stove!” he shouted.

After I finished breakfast, I stopped back in to say goodbye. He ordered me to go to storage and get 20 to 30 bokken. I thanked him kindly for his generosity, but he had already given me one generous gift of bokkens, and that was enough. I had only come to say farewell for now.

On April 23, 2002, I received a phone call from Japan. My presence at this year’s Aiki Jinja Tai Sai Festival on April 29 was being requested. Tai Sai is the grand festival held at the Aiki shrine in Iwama every year to honor the Founder Morihei Ueshiba. Without hesitation I began to make plans to leave for Iwama, where the festival was to be held. Saito Shihan was preparing to officiate over the Tai Sai ceremony, and it was important to me to be there.

When I arrived in Iwama, I stopped by Saito Shihan’s home to say hello. Assisted by his uchideshi, he was busy changing clothes. He was dressed officially in montsuki haori. His hair had been lightly dyed to remove extra gray, and he looked quite dignified.

He was brought by his uchideshi in his wheelchair to a spot outside in front of the dojo. His students soon gathered around him. I had arrived with Doug Kelly, the pilot who Saito Shihan had met many times before. He spotted us and asked Doug if United Airlines was taking the day off for Tai Sai.

Everyone laughed at this, which broke the tension of the moment. We all bent down on one knee to be a little closer to Shihan and also to show our respect for him. It is never polite to look down on a Sensei, especially this Sensei on this special day.



As we gathered around him, Saito Shihan updated everyone on his condition. We were in the direct sun, and it was hot. I suggested we move into the shade, but he shook his head, no. “The doctors wanted to do too many tests and take too many x-rays, so I left. The dojo is my hospital, and I am much more comfortable here. Anyway, radiation and medicines just make you lose your hair and lose weight. That’s enough for me. I have been sent wonderful herbs from all over the world. I will drink these to get better.”

As the Tai Sai ceremony began, Saito Shihan, propelled forward in his wheelchair by his uchideshi made his way to the shrine. We stood with him as he bowed his head to pray. Looking out at the grounds, he called to me quietly “Homma-kun, I have for a long, long time, tended these grounds here at Iwama dojo, but this is the end. It is amusing to me that every day of the year I take care of this shrine and only one day of the year does everyone comes from Tokyo and Hombu. They come to celebrate and then leave again. There is always so much trash left behind! Last year I told everyone to take their trash with them when they go. The trash made it as far as the Iwama train station where the station receptacles were left filled to overflowing. I got a call from the stationmaster complaining to me about all of the mess! This, too, is now at an end for me.” He looked at me and smiled. As he sat outside the shrine, azalea petals drifted down from nearby branches, settling gently on his shoulders and in his hair. If this had been a different year, if he had been in good health, he would have been inside the shrine for this ceremony. For this year though, he sat outside under the azalea trees.

The ceremony was followed by a naorai (celebration party) in the dojo. Saito Shihan drank a tiny cup of red wine, which made him happy. He asked to have a photograph taken of himself with me and Kawabe Sensei. Both Kawabe Sensei and I tried to huddle in close to Shihan for the picture, but a bottle of wine on the table was getting in the way of the photo. Jokingly, Saito Shihan said, “Ummm, if that bottle of wine is in the photograph, everyone will mistakenly think I am a big drinker!” We removed the bottle and struck a serious pose for the photograph, which made him laugh.

The next day, it was time for me to return to the United States, so I came to say goodbye. I stood outside the sliding doors and said, “Denver no Homma desu. I must leave Iwama. Thank you very much.” From inside the room I heard, “Homma-kun, have you had breakfast yet?” “Yes,” I replied. “Alright then, take care.” Then after a pause he continued, “You are the only Japanese from Iwama who has a dojo in the United States. Keep good friends with everyone.” “Hai, Arigato Gozaimashita,” I replied.

Those were the last words that Saito Shihan spoke to me.

He was that kind of person. Unlike some of his peers, other Hombu high-ranking instructors, Saito Shihan was born a country man; a country man from Iwama. Saito Shihan lived in Iwama, worked the railroads in Iwama, and focused his life on taking care of the Founder, and the Aiki Shrine in Iwama.
He was actually a simple country man with simple country stubbornness. Uchideshi and students over many decades will testify that Saito Shihan was a very hard and strict teacher. But once a student graduated from that teacher/student relationship, Saito Shihan was a very kind, very human individual with a unique taste. It was this essence of Saito Shihan’s that gave him the power to attract students from all over the world.

The relationship I had with Saito Shihan spanned almost four decades. When I was young, I shared a relationship with both the Founder and Saito Shihan. The time came then, as it had now, for me to leave Iwama. When the Founder moved from Iwama to Hombu just before his death, I also turned to leave. As I was leaving then, Saito Shihan gave me a roll of contact photos. They were test photos for Saito Shihan’s first book, which was to become Traditional Aikido, Volume 1.



After the Founder had left for Tokyo, I still remember what Saito Shihan said to me when I came to say goodbye. “You are the Founder’s student, and when the Founder was in good health it was not my place to teach you. Take a roll of these photos; I am going to use them someday for a book. You have a long journey ahead of you to get back to Akita. You will need a lot of rice balls to get you there. Help yourself; take these rice balls with you.”

Maybe it was his own experience of the hard life as an uchideshi, but Saito Shihan was always worried about people having enough to eat. No matter how strict he was as a teacher, no matter how hard times might have been, he always took care to make sure those around him were fed. That is something else about him I will never forget.

We cannot forget that Saito Shihan was a student of the Founder of Aikido, Morihei Ueshiba. Or, that he was an Aikikai instructor under the Founder’s son Kisshomaru Ueshiba, and his grandson the current Doshu Moriteru Ueshiba.

Saito Shihan at times seemed to draw a line separating himself from Aikikai Hombu Headquarters. He sometimes spoke harshly of Hombu dojo and their ways of practice. This sometimes served to alienate Saito Shihan from peers and students who did not fully understand his criticism. Underneath his criticism, I believe was his desire for Aikikai Hombu to pass down and continue the philosophy of the Founder Morihei Ueshiba correctly in his eyes.

I think it is especially difficult for some students who are not from Japan to understand the complex nuances and levels of Japanese relationships and style of communication. To try to take Saito Shihan’s harsh words at times literally when pertaining to Hombu would be too shallow and not reflect a true picture.

There are two terms in Japanese called honne and tatamae. They can be difficult concepts to grasp, especially at times for Westerners. In general, honne is the term for one’s personal, private beliefs, while tatamae refers to the persona and position one assumes for cohesiveness with those in their surrounding society. The two are intrinsic to one another, yet understood and expressed differently in Japan than the United States. It is common in Japan in some social settings, for people to vent frustrations, or display personal opinion in the way that a husband will come home for dinner and complain to his wife about his boss. Mostly it is just venting, and is taken as such. In usual circumstances in Japan, a wife just listens to her husband’s complaints and understands them for what they are. It would never occur to the complaining husband that his venting from a previous evening would become public or be related back to his boss in any way.

I fear that for man in Saito Shihan’s position, his harshness at times, especially in social settings, was misinterpreted and taken literally when it should not have been.

Misunderstandings that damaged Saito Shihans reputation and some of the relationships he had over the years I think might have been avoided with a deeper cultural understanding of Japanese communication.There is a Zen phrase “Sokkotsu no Ki”. To translate this, it is more useful to use a parable than a definition.

A mother bird lays her eggs and protects them as they grow. She guards them from enemies and keeps them warm. She waits patiently for the chick inside to develop. When the time comes, the baby chick begins to peck at the shell from the inside, trying to break free. When the mother bird hears the pecking, she pecks delicately from the outside to start the shell to crack. She does not however break the shell open for the chick to emerge. The chick must free itself from the egg is has grown in. As the chick breaks through the shell, it has no knowledge that the mother bird helped it by starting the crack in the shell from the outside. The chick enters the world outside thinking it has come into the world on its own. For the Japanese way of teaching, this kind of timing is very important; knowing when and how to help a student break through with new growth of their own. Saito Shihan was very good at this when teaching his students.

Saito Shihan taught many generations of students in his lifetime. He had different students during different periods in his own life and his own development. Over the years, times changes, values changed, the world changed, yet every student was one of Saito Shihan’s uchideshi, no matter which period of his life they were part of.

Picasso was famous as a painter. As a painter he grew and his style and expression changed through different periods in his life. It would not make sense to take one period of Picasso’s art and call it his only form of expression, or his only true form of expression. All of his painting was Picasso. It was all a part of him.

The same holds true with a martial artist such as Saito Shihan. Not by any means the beginning of his Aikido journey, Saito Shihan practiced and taught Aikido for thirty three years after the Founder’s death. As his style and execution changed naturally over the years, what he taught his students also changed. If students from different eras in his life were to compare his teaching there would naturally be differences, yet all of his teaching was from Saito Shihan, it was all a part of him. By the end, Saito Shihan had become enlightened about his coming death. He spoke to close students about making funeral arrangements. He ordered specially made mourning kimono for his wife and daughter. To his son Hitohiro, he gave his own formal kimono…a kimono that his son would wear soon in the months to come. Before the Aiki Jinja Tai Sai, he ordered his son and his uchideshi to clean every inch of the dojo grounds until they met with his satisfaction. After Tai Sai ended, he visited his temple and prayed in front of his own family gravesite. A few days later he had a little trouble breathing and thought it would be better to check in at the hospital. No one knew that this was to be a one-way trip.

On May 13, 2002, one of the great Aikidoists of our time followed the Founder Morihei Ueshiba into history. The legacy he left to us is as big as life itself, and his last lessons are lessons of dignity and honor that will continue in his memory.



Morihiro Saito: Seguindo o Fundador dentro da história

Por Gaku Homma

30 de Janeiro de 2003.
Nota do autor: partes deste artigo foram escritas logo após a passagem do Shihan Morihiro Saito, mas, mantendo-se as tradições japonesas de luto, não foram publicadas até o início do Ano Novo seguinte.De 7 a 9 de fevereiro de 2003 o Sensei Hitohiro Saito estará em Denver para lecionar no Seminário Memorial Americano realizado em homenagem ao seu pai o Shihan Morihiro Saito.

Existem muitos livros técnicos escritos sobre o Shihan Saito e o seu Aikido. Existem muitas entrevistas e artigos escritos a seu respeito como Guardião do Templo Aiki e como líder do Dojo de Iwama durante sua vida. Para aqueles que poderão vir ao seminário em sua memória e para aqueles que não poderão comparecer eu gostaria de compartilhar o que eu sei a respeito de uma faceta de Saito Shihan sobre a qual não se escreve freqüentemente; o lado mais reservado do homem que é conhecido publicamente em todo o mundo como o grande artista marcial que ele foi.

Saito Shihan teve muitos uchideshi, e milhares de estudantes que partilham de seus ensinamentos e de sua missão. Existem poucos, no entanto, que viram seu lado mais pessoal e privado. Sua família, estudantes antigos mais próximos e amigos de longa data tais como Stanley Pranin, editor do Aikido Journal, conheceram a sua “face real”, como isso pode ser chamado, ou sua maneira pessoal.

Minha relação com Saito Shihan se estendeu por mais de quatro décadas, começando em Iwama quando eu era apenas um rapaz. Desde aqueles dias distantes até os anos recentes, eu tive a honra de conhecê-lo e de compartilhar com ele alguns de seus momentos privados. Um dos seus últimos pedidos foi que eu dissesse o que pensava sobre ele nos últimos dias de sua batalha final. Ele, especialmente, quis que seus estudantes nos Estados Unidos entendessem o fim de sua vida como um meio de entender o seu começo. E foi com esse objetivo que eu peguei minha caneta para escrever...


Como seres humanos e Aikidoístas nós, freqüentemente, pensamos na morte como algo negativo, algo a ser evitado o máximo de tempo possível. Não importa se uma pessoa é um mendigo sem teto vagando pelas ruas, um negociante bem sucedido em Wall Street ou um artista marcial, ninguém nesse mundo pode escapar da morte. Artistas marciais e astros de cinema, eu suponho, estão ambos sob os holofotes quando estão no topo de suas carreiras. Nós ouvimos falar sobre eles quando vencem campeonatos ou quando recebem Oscars. Quando eles envelhecem eles parecem desvanecer e desaparecem. Conforme a história do Aikido se estende, as gerações de estudantes envelhecem. São muitos os aikidoístas da primeira geração que há muito tempo não estão mais conosco. Como seres humanos nós não escapamos da morte. Não importa o quão fortes ou famosos possam ser, os artistas marciais não vivem para sempre. Como um artista marcial se prepara para este momento inevitável, no entanto, pode ser uma grande lição para todos nós. E esta é a última grande lição do Shihan Morihiro Saito para todos nós. Ele disse uma vez que morrer não é algo para ser temido, a morte deve ser algo a ser encarado com coragem e dignidade.

A primeira vez que eu falei com Saito Shihan a respeito de vir com o seu filho a Denver foi em 1999. “Obrigado, mas não, obrigado” foi a sua resposta. “Estudantes que vêm a Denver para praticar no meu seminário estão interessados em aprenderem comigo. Eles não são estudantes de Hirohito por algum direito de nascença. Como pai não é bom para mim que eu simplesmente lhe apresente a organização e a estrutura que eu construí em uma bandeja. Assim é muito fácil. Se Hirohito quer fazer uma vida dentro do Aikido ele tem que fazer por si próprio. Depois que eu tiver ido, eu lhe peço então que convide Hirohito para ir a Denver. Ele terá que realizar o seu próprio começo nesse país e eu confio em você para lhe dar uma sólida plataforma onde começar”.

Este Seminário Memorial Americano realizado em homenagem ao Shihan Morihiro Saito é o meu presente para o pai Morihiro Saito... e para o seu filho, bem como para o começo de uma nova geração que virá.

Gaku Homma.

Com a tristeza ainda apegada aos meus pensamentos, eu deixei, em seguida, os serviços funerários e rapidamente e me encaminhei à Prefeitura de Wakayama para visitar Tanabe, lugar de nascimento e descanso final do Fundador do Aikido, Morihei Ueshiba, no templo Kozanji. Junto a tumba do Fundador eu permaneci em silêncio para prestar minhas reverências. Enquanto eu estava ali eu notei algo muito interessante; três tosoba (tábuas de madeira onde se inscrevem orações) estavam diligentemente erigidas atrás da tumba do Fundador. Uma estava inscrita com o nome “Morihiro Saito” e as outras duas com o nome “Moriteru Ueshiba”, o neto e herdeiro do legado do Fundador Morihei Ueshiba. Essas eram as únicas três tosoba colocadas ali no último ano. A tosoba do Shihan Morihiro Saito estava datada de 10 de junho de 2001. O Doshu Moriteru Ueshiba tinha duas tosoba datadas de 31 de março de 2001.

Muitos Aikidoístas têm vindo a esse lugar de descanso para tirar uma foto, mas apenas dois tiveram tempo e acolheram as despesas (aproximadamente $500 por cada tosoba) para contratarem os serviços do sacerdote local para oferecer esta oração especial. Esses oradores permaneceram através das marcas da tosoba. Ali, de pé, pensando, eu me dei conta de que Morihiro Saito Shihan provavelmente veio aqui para dizer adeus.


No mês de maio de 2002 nós perdemos um grande artista marcial, Morihiro Saito. Morihiro Saito era um ser humano, bem como um artista marcial, de grande estatura. Ele enfrentou sua última batalha - contra o câncer - de cabeça erguida, com calma e determinação. Seu modo de agir e elegância foram as suas últimas lições, uma das muitas que ele, silenciosamente, ensinou a todos nós, seus estudantes.

Eu quero escrever sobre Morihiro Saito, o homem, desta forma vocês poderão ter mais entendimento sobre a vida - e o fim da vida - de um verdadeiramente grande artista marcial.

Em 1997, Morihiro Saito veio à Denver, Colorado pela terceira vez. Ele veio ensinar em seu maior seminário de 1997 prestigiado por mais de 350 estudantes. “Todos gostaram do Seminário?”. Esta pergunta foi respondida com aplausos. “Esta pode ser a minha última visita à America”, ele continuou, “Vocês gostariam que eu viesse novamente?”. Mais uma vez esta pergunta foi respondida com estrondoso aplauso.

Contudo ele não conseguia nem engolir sua comida direito. Ele me confidenciou que havia feito um exame físico completo antes de vir e que alguns dos resultados não tinham sido bons. “Eu provavelmente terei que fazer uma cirurgia quando voltar ao Japão”, ele disse. Isto, no entanto, não o impediu de vir. Ele não esperou por uma resposta e disse aos seus médicos que precisava vir aos Estados Unidos. Ele também não ouviu os avisos de sua família, que já havia me dito que a sua condição era séria. Eu mesmo fui ao Japão pessoalmente para tentar dissuadi-lo de vir. “Eu não estou doente!” ele insistiu diante de um copo de shochu. Com um pesado sotaque Ibaraki ele continuou; “Não se preocupe, eu ainda estou bem. Eu posso estar com uma enfermidade, mas meu espírito não está doente. Existem muitas coisas que eu ainda posso fazer e ir aos Estados Unidos é uma delas!”. Depois de escutar isso, o que eu poderia fazer mais a não ser concordar? Quando o Shihan decidia alguma coisa não havia muito o que dizer além de “sim, Senhor”.


Morihiro Saito Shihan Aikikai Hombu 9th Dan, líder do Dojo Ibaragi Iwama e guardião do Templo Aiki era uma importante liderança dentro do mundo do Aikido. Se alguma coisa acontecesse com ele em Denver isto seria mais do que uma tragédia.

Antes do Seminário ele não falou a nenhum de seus estudantes a respeito de sua condição. Tentando não levantar preocupações, nós fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para cuidar dele. Dois de meus estudantes são pilotos da United Airlines e eles foram à Tokyo pessoalmente para o trazerem. Ele voou todo o tempo de primeira classe. Existe uma foto de Saito Shihan sentado na cadeira do capitão, na cabine, com o piloto da United e presidente da Nippon Kan Doug Kelly. Esta é uma foto que eu o vi exibindo várias vezes. Depois ele me confidenciou que, “Primeira classe era muito impressionante, mas eu fiquei sozinho comigo mesmo. Não era permitido aos meus estudantes virem me visitar. Eu tinha tanta atenção dos comissários de vôo que eu não podia sequer bebericar um gole do meu sakê favorito que eu havia trazido de casa!”. Foi um alívio vê-lo no aeroporto de aparência saudável e fazendo brincadeiras.

Durante o seminário nós tomamos outras precauções. Eu pedi a dois de meus estudantes - um dos quais é o meu médico pessoal e a outra uma enfermeira cardíaca para ficarem de olho nele. Entre as horas de prática e antes do dia do evento nós checamos o seu pulso e a sua pressão sangüínea, monitorando qualquer sinais de perigo. Decidimos que era melhor não interromper a sua dieta usual. Eu cozinhei pessoalmente todas as suas refeições, utilizando ingredientes básicos como miso, molho de soja e arroz que eu comprei para ele em Iwama. Nós retiramos a cama em estilo ocidental do seu quarto de dormir e a substituímos por um estrado levantado suavemente de um lado para que ele pudesse respirar facilmente. Todas as noites eu dormia em frente a sua porta, desta forma eu poderia ouvir se ele começasse a tossir ou precisasse de atendimento.

Eu não estou buscando por nenhum galardão. Com a minha experiência de último uchideshi do Fundador Morihei Ueshiba, este tipo de cuidado era esperado de mim. Não era estranho de minha parte agir desta forma.

Em uma noite durante o seminário, Saito Shihan começou a sufocar durante o jantar. Nós corremos para ajudá-lo, mas ele nos impediu. “Apenas sentar-se calmamente por um momento fará com que o sufocamento desapareça”, ele nos disse. “Meus médicos disseram que comidas de cor vermelha são boas para minha saúde, então eu acho que uma taça de vinho tinto é bem vinda”. Eu pensei em protestar, mas conhecendo-o bem, eu parei. Ele sabia de sua condição, e eu estava aliviado com o fato de ele saber lidar com ela.

Na manhã após o seminário nós nos preparamos para sair de van para as atividades do dia. Antes de entrar no carro ele separou amplamente os pés e se curvou sobre um dos joelhos em um longo alongamento das pernas. “Genki desu ne” ou “Você parece cheio de energia e vigor”, eu disse, então eu perguntei “O que você está fazendo?” “Eu preciso terminar de trabalhar no seu jardim”, ele replicou. “Eu estou preocupado com isso”. Com isso ele pulou dentro da van. Este era o Shihan Saito em sua intimidade. Não o Saito Shihan que reinou em dojos de todo mundo.

No jardim, não importava o quanto nós nos preocupávamos, ele insistia em andar de um lado para o outro solicitando que saíssemos do caminho enquanto ele reposicionava pedras e endireitava as plantas. Ele estava decidido a “consertar” o jardim e a retirar pedras com uma facilidade que os jovens uchideshi não tinham.


Shigeru Kawabe Sensei de Akita, Japão, e sua esposa acompanharam Saito Shihan em sua viagem a Denver. Naquela segunda-feira eles estavam bem vestidos para um dia de passeio sem saberem que iriam praticar um pouco de jardinagem. Em todo o caso eles arregaçaram as mangas e ficaram com suas roupas elegantes um pouco sujas, mas foi gratificante ver que todos estavam sorrindo.

Depois que o trabalho terminou, Saito Shihan se sentou sobre uma pedra que tinha acabado de reposicionar e contemplou o trabalho feito por suas mãos. “É sempre bom sentar no jardim depois de ter trabalhado nele para se reabastecer!” ele exclamou. Eu perguntei a ele se ele poderia colocar um nome na pedra que ele tinha trabalhado tanto para colocar exatamente naquele lugar e ele respondeu, “Pedra Morihiro, e o nome para o seu jardim é Aikien”. Aikien era o nome usado no Santuário do Aikido em Iwama para o Yagai dojo (lado externo do dojo) construído pelo Fundador Morihei Ueshiba. Saito Shihan continuou, “Está tudo bem, o nome não é mais usado em Ywama, então é um bom nome para este jardim”.

O jardim da Nippon Kan não tinha nem um ano de idade na época, e as plantas e árvores ainda eram pequenas. Na época havia mais pedra do que jardim. Eu acredito que Saito Shihan tinha um dom especial em projetar e saber o que as coisas se tornariam. Eu acho que é por isso que ele sabia exatamente como posicionar as pedras. Ele até mesmo observava que estudantes e jardins se pareciam na medida em que você precisa olhá-los como serão daqui a dez anos conforme você os molda. Descansando ali, juntos naquele jardim de poucas penas, não havia meios de imaginar que cinco anos depois o jardim seria classificado pela revista especializada em restaurantes Zagat como a melhor decoração e atmosfera exterior entre 6.000 restaurantes dos Estados Unidos.

Uma vez que a viagem de retorno de Denver para Tokyo seria longa, nós decidimos passar uma noite em São Francisco antes que Saito Shihan e Kawabe Sensei continuassem em sua viagem para o Japão. O hotel em que ficamos tinha aproximadamente trinta andares, e os quartos eram aparelhados com varandas que davam vista para a Baía de São Francisco e para a ponte Golden Gate. Tendo chegado no quarto, Saito Shihan se dirigiu diretamente para a varanda onde ele abriu os braços e exclamou, “ii, na”, ou “Isto é lindo”, em japonês. O sol da tarde ainda estava quente e a brisa entrava gentilmente vinda da baía.

Alegre, ele retornou ao quarto e começou a tirar da mala os seus pertences. Geralmente ele tinha um uchideshi para fazer isso para ele, mas desta vez ele mesmo tirou as coisas da mala com entusiasmo infantil. Ele carregou uma pequena garrafa de sakê para a varanda e puxou duas cadeiras para perto de uma mesa na varanda. “Kawabe-san, vamos nos sentar aqui”, ele disse entusiasticamente. Sabendo que Saito Shihan nunca bebia sem alguma coisa para comer, o seu otomo, Mark Larson e eu rapidamente nos encaminhamos para o bairro japonês para comprar aperitivos para eles. Nós retornamos a tempo de contemplar uma cena que eu nunca esquecerei. Ambos Saito Shihan e Kawabe Sensei estavam imóveis sentados de frente um para o outro entre a pequena mesa na varanda. Estavam ambos sentados, cabeças inclinadas em direção ao outro como se estivessem em oração. O calor suave do sol e as brisas suaves tinham feito sua mágica depois de um longo e agitado fim de semana, e ambos dormiram rapidamente!


Saito Shihan completou sua missão, e foi um sucesso em seu seminário em Denver. Nesse momento, no entanto, ele era um homem, em seu momento privado, que estava tirando um merecido cochilo.

Dois dias depois de seu retorno ao Japão, eu recebi um a chamada telefônica. “Eu estou com câncer”, Saito Shihan falou pelo telefone. “Existe um extrato do cogumelo maetake que eu estou procurando, mas não tem no Japão. Supõe-se que tem propriedades curativas. Eu sei que isso pode ser encontrado nos Estados Unidos. Você poderia mandar um pouco para mim?”. Eu pude sentir a determinação em sua voz.

Eu comprei todo o tipo de extrato maetake disponível em todo o tipo de lojas de produtos naturais e farmácias em Denver naquele dia. No dia seguinte eu viajei para o Japão para entregar. A inauguração do meu restaurante, Domo, estava marcada para a semana seguinte e deixar o país não era boa idéia. No entanto, a saúde de Saito Shihan estava em perigo. Eu não pensei duas vezes para ir até ele. Ele estava tão surpreso e feliz em me ver no dia seguinte que ele quase chorou, ele literalmente arrombou a porta para me encontrar. Naquele momento não importava se o extrato de maetake iria funcionar ou não para curar a sua doença. O mais importante para mim era mostrar o meu respeito e o meu apoio. Se eu o fiz feliz por apenas um minuto que seja, isto já foi o suficiente. “Você está com fome?” ele perguntou e me levou para dentro de sua casa me segurando pelo braço.

Em 1998 Saito Shihan sofreu uma cirurgia e, embora a cirurgia tenha sido complexa, ele se recuperou bem. Em maio de 1999 ele me telefonou para dizer que estava bem e que viria a Denver. “Eu ainda tenho trabalho para fazer no jardim”, ele explicou. O primeiro pensamento que tive foi o de convencê-lo a não vir e proteger a sua saúde. Eu não sabia como fazer isso, então eu pedi ajuda à sua família. Eles me disseram que, exceto pela sua voz, que parecia um pouco rouca, ele parecia estar bem. Esta explicação me deixou sem nenhuma desculpa, então não havia mais nada a dizer a não ser: “Quando o Sr. gostaria de vir, Sensei?”


Nós tomamos ainda mais precauções e o seminário de Saito Shihan em 1999 se deu sem nenhum desvio. Minhas preocupações pareciam exageradas. Ele comeu bem e se divertiu muito. A única diferença que eu notei foi que ele estava controlando o que bebia e o que comia e estava indo descansar mais cedo. Em algumas poucas ocasiões, no entanto, ele retornava depois que a maioria das pessoas já havia saído para tomar alguma coisa com seus amigos e estudantes mais próximos. Este era o seu momento privado de descanso. Ele nos contou sobre a sua cirurgia, tendo, inclusive, nos mostrado suas cicatrizes. “Os médicos me disseram: “Sr. Saito conte até três”. Eu contei até três e é tudo o que me lembro. Quando eu acordei eu estava grampeado, fechado do pescoço até o umbigo, em minhas costas tinha um corte diagonal de aproximadamente 60 centímetros! Ele mostrou suas cicatrizes com orgulho de uma criança que tivesse pescado o seu primeiro peixe. Os médicos aqui concordaram com os médicos japoneses que suas cicatrizes haviam cicatrizado bem. Ele estava orgulhoso disso.

Mais de 350 estudantes compareceram ao seminário de Saito Shihan em 1999, que foi um grande sucesso. Durante o seminário ele fez uma pausa para perguntar “Todos estão contentes? Eu estou muito feliz de estar de volta ao Colorado mais uma vez. Posso voltar novamente no próximo ano?” Ele recebeu uma salva de palmas que continuou mesmo depois que ele já havia deixado o ginásio. Mais tarde na festa de boas vindas ele deleitou a todos cantando um emocionante coro de “Shiroi Keiko Gi,” que era uma versão japonesa de Saito Shihan para “Oh My Darling Clementine” (oh, minha querida Clementina). Naquela noite o Sensei Hans Goto veio falar comigo em particular com um ar sério. “Será que você poderia perguntar ao Shihan se ele poderia ir à Califórnia no próximo ano?” ele perguntou. “É claro”, eu respondi. “Eu imagino que isso dependeria enormemente de sua saúde. Eu acho que é melhor que ele não venha a Denver da próxima vez. Ele faz de conta que está tudo bem, mas ele sabe do seu futuro. Em meu coração eu gostaria que ele permanecesse em sua casa em Iwama cuidando de sua saúde”.

Mais tarde em minha casa eu escolhi as palavras da melhor forma que pude e coloquei a questão para Saito Shihan. “Sensei no próximo ano, será que seria uma boa idéia visitar os dojos afiliados à Iwama na Califórnia? Se o senhor não for, seus estudantes vão achar que eu seqüestrei o seu pai!”. Depois de alguns momentos ele respondeu, “Ir ensinar em vários Dojos na Califórnia durante uma visita é agora fisicamente muito difícil para mim. Faz mais sentido fazer um grande seminário em um local central como Denver”. “E se o Sr. conseguisse realizar um grande seminário em um de seus dojos na Califórnia? Eu perguntei. “Eu me preocuparia se isso iria parecer que eu estaria favorecendo um dojo em detrimento de outros o que poderia causar problemas no futuro. É muito importante para mim que isso não aconteça”, ele disse. “E que tal se o Sr. escolhesse um local que fosse central e que tivesse um comitê formado pelos líderes de seu grupo para organizar o evento juntos?” Eu perguntei novamente. Saito Shihan olhou como se tivesse pensando profundamente a respeito disso, mas ele não respondeu.

Depois que ele retornou ao Japão eu só tive notícias de Saito Shihan em Janeiro de 2000. Ele me disse que havia decidido ir à Califórnia naquele ano. Era do seu entendimento que seus estudantes haviam decidido trabalhar juntos para organizar um seminário central na Califórnia para que todos fossem. Ele parecia estar muito feliz de que todos os seus estudantes estivessem trabalhando em conjunto. Ele me pediu que ensinasse aos seus instrutores o ABC da organização de um seminário, utilizando o “sistema de Denver” como ele chamava. Eu respondi gentilmente “Sensei o Sr. tem gerações de ushideshi na Califórnia que conhecem o Sr. a décadas. Esses seus instrutores agora têm gerações de estudantes atrás deles. Enquanto o Sr. ainda tem sua saúde esta é uma boa maneira de mantê-los ligados para o futuro. É importante para eles trabalharem juntos como em um time. Se eu me intrometer e der conselhos de como organizar um seminário, isto seria apenas interferência, o que iria atrapalhar o processo. Eles são muito capazes de organizar um seminário por si próprios. Eu acho que é melhor para todos que eu não esteja envolvido”.


Como foi do desejo de Saito Shihan no outono de 2000 um seminário de grande sucesso aconteceu na área da baía (da Califórnia) recepcionado, como Saito Shihan acreditava, por seu grupo de principais instrutores e estudantes da Iwama ryu. Em maio de 2001 eu fui ao Japão para (o evento) All Aikido Demonstration em Tóquio. As demonstrações se deram na Nippon Budokan. Saito Shihan realizou uma demonstração maravilhosa de técnicas de sankyo e suas variações. Como sempre ele agradava as platéias e recebeu enorme aplauso. Nessa época a força de suas pernas e de seus joelhos estavam enfraquecendo. Seu uke atuou bem e mascarou que ele estava ajudando o Shihan a se manter em pé após cada pegada. Acima das arquibancadas enquanto aguardava o começo e sua demonstração, Saito Shihan brincou com uma bengala desdobrável que ele embainhava e desembainhava propositadamente. “Você acha que poderíamos vender essas bengalas para Ninjas americanos? Não se preocupe, se um Ninja estiver precisando de uma bengala desdobrável ele não deve ser um Ninja de verdade”, ele concluiu. Todos ao seu redor riram.

No dia seguinte eu visitei Iwama e fui recebido calorosamente. Jantamos juntos na nova área de jantar do dojo ele parecia estar bem. Ele falou sobre os Estados Unidos e disse que estava ficando um pouco fraco fisicamente mas que ele havia prometido ir à Califórnia novamente neste ano, e era uma promessa que ele tinha a intenção de cumprir. Todos na mesa tentaram dissuadi-lo, mas ele se apressou em defender teimosamente seu ponto de vista. Finalmente sua filha disse: “Não existe razão para mudar sua opinião. O melhor é deixar que ele faça o que lhe faz feliz”. Enquanto eu me preparava para sair ele me presenteou com 30 bokkens que havia empacotado em feixes com alças.

Eu falei com sua filha novamente antes de partir. Ela me disse que o câncer estava se espalhando e agora estava afetando suas extremidades. Como é muito comum no Japão a família de Saito Shihan havia sido mais informada de suas condições do que ele próprio, e eles foram informados de que ele teria apenas mais alguns meses de vida. Ela estava muito preocupada com suas viagens mas ela não estava em condições de informá-lo que a sua saúde estava piorando. Ela também estava preocupada com seus anfitriões na Califórnia. Se alguma coisa acontecesse enquanto ele estivesse nos Estados Unidos isto seria traumático para os seus estudantes. Ela me perguntou se eu poderia de alguma forma persuadir seus estudantes na Califórnia que solicitassem a ele que não fosse. Eu expliquei a ela que eu não estava em posição de fazê-lo, nem eu gostaria de interferir em sua relação com seus estudantes.


Quatro meses depois veio a tragédia de onze de setembro de 2001. O governo japonês fez um comunicado público de que todas as viagens aos Estados Unidos que não fossem imperativas deveriam ser adiadas ou canceladas. Saito Shihan telefonou-me para dizer que ele queria vir aos Estados Unidos mas ele havia sido fortemente aconselhado por sua família e pelas autoridades a não ir. Ele disse que já havia tomado a sua decisão, mas ele perguntou o quão perigoso eu achava que seria viajar, e o que eu pensava de qual seria a reação de seus estudantes se ele não fosse. “É difícil dizer. Depois de um evento tão trágico é difícil predizer que tipo de reação as pessoas poderiam ter. Realizar um seminário logo depois de um evento tão trágico pode parecer falta de sensibilidade para algumas pessoas, para outras poderá parecer coragem”. Eu respondi. Ele me perguntou, “se fosse você , você iria?”. Sabendo de sua condição que piorava a cada dia, esta era uma questão difícil de responder. Se fosse eu teria ido, mas a minha posição era muito diferente da dele. Embora eu soubesse muito bem de todo o trabalho duro que seus estudantes tiveram para preparar a sua visita e dos sofrimentos e desapontamentos que isso causaria se ele não fosse, para o seu próprio bem, eu o aconselhei a não ir. Mais importante agora era a sua vida e os desejos de sua família.

Eu acho que ambos sabíamos que isso era por causa de sua saúde, mas eu sugeri gentilmente, “neste momento de tragédia, em respeito às vítimas do ato terrorista, eu acho melhor não ir”. No dia seguinte havia um anúncio colocado na web site do Aikido Journal comunicando que Saito Shihan não iria à Califórnia. Ao ver que o anúncio tinha sido oficial soube que ele havia tomado sua decisão antes que eu falasse com ele. Eu me senti mal por seus estudantes, mas não ter feito aquela viagem ajudou a prolongar sua saúde e vida por pelo menos mais um dia, eu senti que era minha obrigação apoiá-lo neste momento final.

Em 2002, Saito Shiham ia e vinha do hospital. No mês de fevereiro o câncer se espalhou pela sua coluna, o que o impossibilitou de andar. Ele foi confinado a uma cadeira de rodas e foi informado de que estava no fim da contagem regressiva. Ele recusava todos os tipos de tratamento médico indicados por seu médicos e voltava do hospital para casa. Sua família me disse que sua condição estava piorando e eu fiz uma viagem para Iwama para visitá-lo no dia primeiro de março de 2002.

Eu estava surpreso em ver que Saito Shihan havia colocado sua cama para o cômodo de entrada de sua casa, muito perto das portas de correr. No Japão é um costume, especialmente entre artistas marciais, dormir o mais longe possível da porta, particularmente se eles estão doentes ou comprometidos de outra forma. É também costume dormir com a cabeça em direção ao altar de forma a mostrar deferência. Saito Shihan, no entanto, se posicionou onde ele pudesse ouvir o que estava acontecendo no quintal e no dojo e o que os seus estudantes estavam fazendo. A sua missão de ensinar Aikido aos seus ushideshi e estudantes ainda era posta em primeiro lugar - mesmo que isso significasse que ele teria que dormir com os pés em direção ao altar.

Deitado em sua cama ele utilizava uma bomba para drenar seus fluídos. A bomba deixava hematomas em sua pele que eram difíceis de serem contempladas, elas pareciam muito dolorosas. Mesmo assim ele brincava, “Eu nunca tive essas (manchas) pretas e azuis mesmo quando eu era jovem e me envolvia em brigas todo o tempo!”.


Eu lhe perguntei se ele gostaria que eu massageasse seus pés. Enquanto eu massageava seus pés embaixo do cobertor meus olhos se encheram de lágrimas. Eu havia feito isso antes, no mesmo lugar. Só que da última vez que eu fiz isso foi para o Fundador antes dele morrer. Minha vida parecia ter se transformado em um círculo completo, e eu estava mais uma vez oferecendo o conforto de uma massagem a outro grande artista marcial em Iwama.

Enquanto eu massageava seus pés, Saito Shihan falou em particular a respeito de seus estudantes, especialmente seus estudantes no exterior. Depois de vinte minutos de conversa eu pedi licença para me retirar. Então ele me surpreendeu e me deu um susto quando ele começou a gritar ordens para um uchideshi que estava esperando atrás de uma tela de shoji. Está frio lá fora esta manhã! Faça aquele fogão trabalhar, Homma-kun precisa tomar café agora! VOCÊ ESTÁ ENTENDENDO?” O uchideshi correu o máximo que pode em direção à cozinha.

Depois de terminar de dar ordens ao uchideshi, ele se virou para mim e disse com uma voz suave, “Obrigado por você ter vindo. Nós deveríamos tomar café juntos, mas já que estou impossibilitado, você terá seu café pronto na cozinha dos uchideshi”. Com isso ele voltou a sua atenção ao uchideshi que havia se retirado “Não se esqueça daquele fogão!”, ele gritou.

Depois que terminei o café da manhã eu voltei para me despedir. Ele me ordenou que fosse no armazém para pegar entre 20 e 30 bokkens. Eu o agradeci amavelmente por sua generosidade, mas ele já havia me dado uma generosa quantidade de bokkens de presente, o que já foi o suficiente. Eu apenas vim me despedir por ora.

No dia 23 de abril de 2002 eu recebi uma chamada telefônica do Japão. Minha presença era solicitada este ano para a festividade de Aiki Jinja Tai Sai no dia 29 de abril. Tai Sai é uma grande festividade realizada no templo do Aikido em Iwama a cada ano em honra ao Fundador Morihei Ueshiba. Sem hesitação eu comecei a fazer planos para ir à Iwama, onde o festival seria realizado. Saito Shihan estava se preparando para oficiar a cerimônia do Tai Sai, e era muito importante para mim estar lá.

Quando eu cheguei em Iwama eu parei na casa de Saito Shihan para cumprimentá-lo. Assistido por seus uchideshis, ele estava ocupado trocando de roupas. Ele foi vestido oficialmente com um montsuki haori. Seus cabelos haviam sido suavemente pintados para remover o cinza, e ele parecia enormemente dignificado.

Ele foi trazido por seu uchideshi em uma cadeira de rodas para um local em frente ao dojo. Seus estudantes logo se juntaram ao seu redor. Eu cheguei com Doug Kelly, o piloto que Saito Shihan havia encontrado muitas vezes antes. Ele nos notou e perguntou a Doug se a Airlines estava tirando folga para o Tai Sai. Todos riram, o que quebrou a tensão do momento. Todos nós nos curvamos sobre um dos joelhos para ficarmos mais próximos do Shihan e também para mostrar nosso respeito por ele. Nunca é educado olhar acima de um Sensei, especialmente este Sensei, neste dia especial.

Enquanto nos aproximávamos Saito Shihan informava a todos sobre sua condição. Nós estávamos sob o sol e estava quente. Eu sugeri que fossemos para sombra, mas ele moveu a cabeça negando. “Os médicos queriam fazer vários testes e queriam tirar vários raios x, então eu deixei. O dojo é o meu hospital eu estou muito mais confortável aqui. De qualquer modo, radiação e medicamentos fazem apenas com que você perca cabelo e peso. Já é o suficiente para mim. Me foram enviadas ervas maravilhosas de todas as partes do mundo. Eu vou tomá-las para melhorar”.


Quando a cerimonia Tai Sai começou, Saito Shihan impulsionado em sua cadeira de rodas por seu uchideshi tomou o caminho do templo. Nós permanecemos com ele enquanto ele inclinava sua cabeça para orar. Olhando o chão, ele me chamou discretamente “Homma-kun, eu tenho, por muito, muito tempo, cuidado deste chão aqui no dojo de Iwama, mas este é o fim. É estranho para mim que todos os dias do ano eu tomo conta deste templo e apenas um dia do ano alguém vem de Tóquio e do Hombu dojo. Eles vêm para celebrar e ir embora novamente. Sempre tem muito lixo deixado para trás! Ano passado eu pedi para que todos levassem seu lixo com eles quando eles fossem. O lixo era tanto que chegou até à estação de trem de Iwama onde os depósitos de lixo transbordaram. Eu recebi um telefonema do chefe da estação reclamando da bagunça! Isto, também é o fim para mim”. Ele olhou para mim e riu, Enquanto ele estava sentado do lado de fora do templo, pétalas de azaléia caíam dos galhos próximos, assentando-se calmamente sobre seus ombros e sobre seus cabelos. Se aquele tivesse sido um ano diferente, se ele estivesse bem de saúde, ele teria entrado no templo para realizar a cerimônia. Esse ano, no entanto, ele se sentou embaixo das árvores de azaléia.

A cerimônia foi seguida por um naori (uma festa de celebração) no dojo. Saito Shihan bebeu uma pequena taça de vinho tinto, o que o deixou contente. Ele pediu que fosse tirada uma foto dele comigo e com Kawabe Sensei. Eu e Kawabe Sensei tentamos ficar o mais próximo o possível do Shihan para a foto, mas uma garrafa de vinho sobre a mesa estava no meio da foto. Brincando, Saito Shihan falou, “Ummm, se aquela garrafa de vinho sair na foto, todo mundo vai achar, erroneamente, que eu sou um grande beberrão!” Nós tiramos a garrafa e fizemos uma pose séria para a fotografia, o que fez com que ele desse uma gargalhada.
No dia seguinte, chegou a hora do meu retorno para os Estados Unidos, então eu voltei para me despedir. Eu fiquei do lado de fora das portas de correr e disse, Denver no Homma desu. Eu tenho que deixar Iwama. Muito obrigado”. De dentro do quarto eu ouvi, “Homma-kun, você já tomou café da manhã?” “Sim”, eu repliquei. “Então tudo bem, se cuide”. Então depois de uma pausa ele continuou, “Você é o único japonês de Iwama que tem um dojo nos Estados Unidos. Conserve a amizade de todos eles”. “Hai, Arigato Gozaimashita,” eu repliquei.

Aquelas foram as últimas palavras que Saito Shihan me disse.Ele era um tipo especial de pessoa. Diferente de seus pares, outros instrutores de alto nível do Hombo dojo, Saito Shihan foi um homem do interior, um agricultor de Iwama. Saito Shihan viveu em Iwama, trabalhou na estrada de ferro em Iwama e veio a focar sua vida em cuidar do Fundador e do Templo Aiki em Iwama. Ele era apenas um simples homem do campo, com a sua teimosia de homem do campo. Uchideshis e estudantes durante muitas décadas foram testemunhas de que Saito Shihan era um professor muito duro e rigoroso. Mas, uma vez que a relação entre estudante e professor se desenvolvia, Saito Shihan se tornava muito gentil, um ser humano de sabor único. E era essa essência de Saito Shihan que lhe dava o poder de atrair estudantes de todas as partes do mundo.


A minha relação com Saito Shihan se estendeu por mais de quatro décadas. Quando eu era jovem eu me relacionei com ambos, o Fundador e Saito Shihan. Mas veio então o tempo, como agora, de deixar Iwama. Quando o Fundador foi para o Hombu dojo, pouco antes de sua morte, eu também deixei Iwama novamente. Quando eu estava saindo, naquela ocasião, Saito Shihan me entregou um maço de fotos. Eram fotos de teste para o seu primeiro livro, para aquilo que viria ser Traditional Aikido, Volume I (Aikido Tradicional, Volume I). Depois que o Fundador havia ido para Tóquio, eu ainda me lembro do que Saito Shihan me disse quando eu vim me despedir. “Você é aluno do Fundador, quando o Fundador estava com boa saúde não era meu papel lhe ensinar. Fique com este maço de fotos, eu irei usá-las algum dia para um livro. Você tem uma longa viagem pela frente até retornar à Akita. Você irá precisar de muitas bolas de arroz para levar você até lá. Ajude a si mesmo, leve essas bolas de arroz com você”.

Talvez tenha sido a sua própria experiência de uma vida difícil com uchideshi, mas Saito Shihan estava sempre preocupado com a as pessoas terem o suficiente para comer. Não importava o quanto ele era severo como professor, não importava o quão duro ele tivesse sido, ele sempre se preocupava em se certificar que aqueles que estavam ao seu redor estavam alimentados. Isto é uma das coisas sobre ele que eu nunca esquecerei.

Nós não podemos nos esquecer de que Saito Shihan foi um aluno do Fundador do Aikido, Morihei Ueshiba, ou de que ele foi um instrutor da Aikikai sob a liderança do filho do Fundador Kisshomaru Ueshiba e seu neto, o atual Doshu, Moritetu Ueshiba.
Saito Shihan, às vezes, parecia desenhar uma linha separando a si mesmo do Quartel General da Aikikai. Ele às vezes falava duramente a respeito do Hombu dojo e de sua maneira de praticar. Isto, algumas vezes, serviu para afastar Saiti Shihan de seus pares e alunos que não entendiam completamente a sua crítica. Por trás de sua crítica, eu acredito que o seu desejo era que o Hombu dojo se destilasse e continuassee a transmitir a filosofia do Fundador Morihei Ueshiba que fosse correta aos seus olhos.

Eu acho que é muito difícil, para alguns estudantes que não são do Japão, entender as complexas nuanças e níveis das relações japonesas e do seu estilo de comunicação. Para tentar tomar as duras palavras de Saito Shihan de forma literal quando para o Hombu deveriam ser tão superficiais e não refletirem um quadro real.

Existem dois termos em japonês chamados honne e tatamae. Eles são conceitos de difícil compreensão, principalmente por ocidentais. Em geral honne é um termo que designa crenças íntimas, pessoais, enquanto que tatamae se refere à persona e à posição que uma pessoa assume para a coesão com aqueles que fazem parte de sua sociedade circunstante. Ambos são intrínsecos ao outro, no entanto eles são expressos de formas diferentes no Japão e nos Estados Unidos. É comum no Japão, em alguns contextos sociais, as pessoas desabafarem suas frustrações, ou mostrarem sua opinião pessoal da mesma maneira que o marido chega em casa e reclama do chefe com sua esposa. A maior parte das vezes isso é apenas reclamação e é tomado como tal. Em circunstâncias comuns no Japão, uma esposa apenas escuta as reclamações do marido e as entende apenas como elas são. Nunca ocorre que a queixa do marido feita na noite anterior venha a ser tornar um fato público ou venha a ser repassada ao chefe de alguma forma. Eu temo que para um homem na posição de Saito Shihan, sua severidade em algumas ocasiões, especialmente em contextos sociais, foi mal interpretada e tomada literalmente quando não deveria ter sido.


Eu acho que as más interpretações que prejudicaram a reputação de Saito Shihan e algumas das relações que ele teve durante os anos poderiam ter sido evitadas com um profundo entendimento cultural do modo de comunicação japonês. Existe uma frase Zen que diz “Sokkotso no Ki”. Para traduzi-la é mais proveitoso utilizar uma parábola do que uma descrição.

Uma mãe pássaro põe seus ovos e os protege enquanto eles crescem. Ela os guarda de inimigos e os mantêm aquecidos. Ela espera pacientemente que o filhote que está dentro se desenvolva. Quando a hora chega o filhote começa a bicar a casca de dentro para fora, tentando se libertar. Quando a mãe pássaro ouve as bicadas, ela bica delicadamente a casca por fora para fazer com que a casca comece a quebrar. No entanto, ela não quebra a casca para que o filhote emirja. O filhote tem que se libertar sozinho do ovo que o acolheu. Conforme o filhote vai quebrando a casca ele não tem conhecimento de que a mãe pássaro lhe ajudou começando a bicar a casca do lado de fora. O filhote entra no mundo fora do ovo pensando que entrou no mundo sozinho. Para o modo japonês de ensinar este timing (momento) é muito importante, sabendo quando e como ajudar um estudante a quebrar a casca fazendo com que cresça por si próprio. Saito Shihan era muito bom nisso quando ensinava aos seus alunos. Saito Shihan ensinou muitas gerações de estudantes durante a sua vida. Ele teve diferentes alunos durante os diferentes períodos de sua própria existência e de seu próprio desenvolvimento. Através dos anos os valores mudaram, o mundo mudou e, no entanto, cada aluno era tratado como se fosse um uchideshi de Saito Shihan, não importava o período de sua vida que eles fizeram parte.

Picasso foi famoso como pintor. Como pintor ele evoluiu e seu estilo e expressão mudaram através de diferentes períodos de sua própria vida e de seu próprio desenvolvimento. Não faz sentido pegar um período da arte de Picasso e dizer que esta foi a sua única forma de expressão, ou a sua verdadeira forma de expressão. Picasso foi a totalidade de sua obra. Tudo foi parte dele.

O mesmo se torna verdadeiro com um artista marcial como Saito Shihan. (as mudanças) não significavam de nenhum modo o começo de sua jornada. Saito Shihan praticou e ensinou Aikido durante trinta e três anos após a morte do Fundador. Enquanto o seu estilo e execução mudavam naturalmente através do anos, o que ele ensinava aos seus alunos também mudava. Se alunos de diferentes gerações comparassem sua forma de ensinar, provavelmente encontrariam diferenças e, no entanto, todas as suas diferentes formas de ensinar eram partes de Saito Shihan, e ele era todas elas.

No final, Saito Shihan se tornou um iluminado com o aproximar-se de sua morte. Ele falou com alunos mais ligados a respeito dos arranjos para o funeral, ele ordenou que fossem feitos quimonos de luto para sua esposa e filha. Para o seu filho Hitohiro ele deu o seu próprio quimono de cerimônias especiais... um quimono que seu filho iria usar em poucos meses. Antes do Aiki Jinja Tai Sai, ele ordenou ao seu filho e aos seus uchideshis que limpassem cada polegada de todo o dojo até que ele ficasse satisfeito.

Depois que o Tai Sai terminou, ele visitou o seu templo e orou em frente ao túmulo de sua família. Alguns dias depois ele teve um pequeno problema respiratório e pensou que seria melhor checar isso no hospital. Ninguém sabia que aquela seria uma viagem sem volta.

No dia 13 de Maio de 2002, um dos maiores aikidoístas de nosso tempo seguiu o Fundador Morihei Ueshiba através da história. O legado que ele nos deixou foi uma grande vida por si mesma, e suas últimas lições de dignidade e honra irão continuar em sua memória.

Gaku Homma Sensei
Tradução: William Soares